PROCEDIMENTOS

Consulte nossos procedimentos

PROCEDIMENTOS

Consulte nossos procedimentos, qualquer dúvida entre em contato por e-mail ou telefone 48 3466-1638.



ACANTHAMOEBA - PESQUISA

Material: Raspado de córnea, conforme instrução do médico solicitante.

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Método utilizado para o diagnóstico de Acanthamoeba, um protozoário de vida livre que se apresenta sob duas formas: trofozoítica e cística.

ACANTÓCITOS - PESQUISA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Acantócitos são hemácias espiculadas irregulares, encontradas em pacientes com deficiência congênita de beta lipoproteínas. Células semelhantes podem ser observadas em pacientes com disfunção hepato-celular grave, alcoolismo crônico, pós-esplenectomia, síndromes de mal-absorção e, menos frequentemente no hipotireoidismo avançado. A pesquisa auxília no diagnóstico de abetalipoproteinemia e hipobetalipoproteinemia. A presença de acantócitos no sangue periférico sugere abetalipoproteinemia ou hipobetalipoproteinemia. É observada também em doença hepatocelular avançada.

ACETILCOLINA – ANTICORPO ANTI-RECEPTOR DE ACETILCOLINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Confirmação diagnóstica de Miastenia Gravis, monitoramento do tratamento com drogas imunossupressoras.

ACETILCOLINESTERASE ERITROCITÁRIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: É uma enzima que age na regulação dos impulsos nervosos, através da degradação de acetilcolina na junção neuromuscular e na sinapse nervosa. Indicada para o diagnóstico e monitoramento de exposição e intoxicação por compostos organofosforados e carbamatos (utilizados em agricultura comercial); triagem pré-operatória de pacientes com sensibilidade a succinilcolina (genética ou secundária à exposição de inseticidas); estudos familiares de anomalias moleculares das colinesterases.

ACETONA – SANGUE TOTAL

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A acetona visa detectar intoxicação, já que é utilizada como solvente de esmalte e colas para plásticos.

ACETONA URINÁRIA PRÉ-JORNADA

Material: Urina pré-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar urina no final de jornada de trabalho em frasco de coleta de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: A acetona visa detectar intoxicação, já que é utilizada como solvente de esmalte e colas para plásticos.

ACETONA URINÁRIA PÓS-JORNADA

Material: Urina pós-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar urina no final de jornada de trabalho em frasco de coleta de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: A acetona visa detectar intoxicação, já que é utilizada como solvente de esmalte e colas para plásticos.

ACIDEMIA METILMALÔNICA (GENE MMAA)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Mais de 25 mutações no gene MMAA foram encontradas e vinculadas a acidemia metilmalônica, uma condição caracterizada por dificuldades de alimentação, atraso de desenvolvimento e problemas de saúde em longo prazo. Algumas dessas mutações adicionam, excluem ou duplicam uma pequena quantidade de material genético no gene. Outras mutações alteram um único aminoácido usado para fazer a proteína MMAA. Estas mutações podem levar à produção de uma proteína MMAA instável ou uma versão anormalmente pequena, não funcional da proteína. Não está claro como a proteína anormal leva a graves problemas de saúde associados à acidemia metilmalônica.

ACIDEMIA METILMALÔNICA (GENE MUT)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O gene MUT codifica uma enzima chamada metilmalonil CoA mutase. Esta enzima é ativa nas mitocôndrias, que são estruturas especializadas no interior das células e que servem como centros produtores de energia. A enzima pela quebra de aminoácidos, especificamente isoleucina, metionina, treonina e valina. A enzima também ajuda a quebrar certos tipos de gorduras (lipídios) e colesterol. Em primeiro lugar, várias reações químicas convertem os aminoácidos, lipídeos, colesterol em uma molécula chamada metilmalonil CoA. Então, trabalha com um composto chamado adenosilcobalamina (AdoCbl), que é uma forma de vitamina B12, metilmalonil CoA mutase converte a metilmalonil CoA em um composto chamado succinil-CoA.

ÁCIDOS BILIARES TOTAIS

Sinônimo: Sais Biliares

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A dosagem de ácidos biliares totais no sangue pode ser utilizada como um teste de depuração hepática endógena, mas as informações obtidas por este exame devem ser confirmadas por outras provas de função do fígado. O aumento na concentração dos ácidos biliares totais no sangue sugere limitação hepática nas capacidades de depuração e/ou secreção ou, ainda, a existência de um shunt porto-sistêmico. Podendo ser utilizado como avaliação inicial da depuração hepática endógena.

ÁCIDO BUTOXIACÉTICO – URINA

Material: Urina pós-jornada de trabalho.

Preparação do Cliente: Coletar 10 mL de urina no final de jornada de trabalho em frasco estéril.

Indicação: O 2,4- D BEE é um herbicida hormonal do grupo dos ácidos ariloxialcanóicos usado para o controle de plantas daninhas de várias culturas. O 2- butoxietanol é utilizado como solvente em revestimentos como lacas, vernizes, esmaltes e em venizes e seus removedores, tintas de látex, assim como em produtos de limpeza de metais e outros produtos domésticos. Este exame avalia a exposição ao 2- butoxietanol.

ACIDO CÍTRICO (ESPERMA)

Material: Esperma

Preparação do Cliente: Não é necessária abstinência sexual.

Indicação: Ácido cítrico, assim como a frutose, é essencial para a função espermática e as suas dosagens avaliam a função da próstata e da vesícula seminal. Utilizado para a avaliação da infertilidade masculina; avaliação da função espermática.

ÁCIDO CÍTRICO (CITRATO) – SORO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário

Indicação: O citrato se liga ao cálcio e inibe a formação de pedra nos rins. Assim, baixas concentrações de citrato podem levar à formação de pedra nos rins. Este é o fator de risco mais importante para a formação de pedra nos rins em crianças.

ÁCIDO DELTA AMINO LEVULÍNICO

Sinônimo: ALA-U

Material: Urina pós-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar a amostra em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: É o precursor das porfirinas. Substâncias como etanol, chumbo e outros metais pesados aumentam os níveis do ácido delta amino levulínico por inibição da porfobilinogênio sintetase. Indicado para o diagnóstico de porfirias; diagnóstico de intoxicação por chumbo ou mercúrio; auxilio no diagnóstico de alterações hepáticas.

ÁCIDO FENILGLIOXÍLICO

Sinônimo: Estireno

Material: Urina pós-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar a amostra em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: Usado como indicador biológico da exposição ocupacional ao estireno, utilizado em indústrias que fazem uso de polímeros, especialmente indústrias de produção de plásticos, resinas e embalagens. É um solvente que pode ser absorvido por via pulmonar e cutânea, e é biotransformado no fígado. É utilizado como indicador biológico de exposição ao estireno.

ÁCIDO FÓLICO

Material: Sangue

Interferentes: hemólise, lipemia, exposição à luz, anticonvulsivantes, metotrexato, colchicina, estrogênios, contraceptivos orais, álcool, ácido aminosalicílico, ampicilina, cloranfenicol, eritromicina, lincomicina, penicilina, tetraciclinas.

Preparação do Paciente: Jejum mínimo necessário de 4 horas para todas as idades.

Indicação: Detecção de deficiência de folato em gestantes, usuários de medicamentos inibidores do folato e pacientes com síndromes malabsortivas (doença celíaca, doença de Crohn, outras); monitoramento de terapia com folato. Interpretação clínica: A principal manifestação clínica da deficiência de folato é anemia megaloblástica. Valores aumentados: dieta vegetariana, deficiência de vitamina B12, neoplasias. Valores diminuídos: deficiência primária de folato dietético, hipertireoidismo, anemia perniciosa, alcoolismo, má nutrição, doenças hepáticas, deficiência de vitamina B12, hemodiálise crônica, doença celíaca adulta, anemia hemolítica, carcinomas, mielofibroses, gravidez.

ÁCIDO FÓLICO – COM DILUIÇÃO

Sinônimo: Folato

Material: Sangue

Interferentes: Icterícia (concentrações de bilirrubina acima de 33mg/dL) e Lipemia (concentrações de triglicerídeos acima de 1500mg/dL). A hemólise pode aumentar de forma significativa os valores de folato devido a concentrações elevadas de folato nos glóbulos vermelhos. Por isso, as amostras hemolisadas não são adequadas para este ensaio.

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de deficiência de folato (condição inibitória da síntese de DNA desencadeadora de anemia megaloblástica) em gestantes, usuários de medicamentos inibidores do folato e pacientes com síndromes mal absortivas (doença celíaca, doença de Crohn, outras); monitoramento de terapia com folato.

ÁCIDO FÓRMICO

Sinônimo: Ác.amínico, metanóico, formílico, hidrog. carboxilico

Material: Urina pós-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar urina no final da jornada de trabalho, em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: Coletar urina no final da jornada de trabalho, em coletor limpo e sem aditivo.

ÁCIDO GAMA AMINOBUTIRICO (GABA) – URINA

Material: Urina

Preparação do Cliente: Coletar amostra de urina isolada.

Indicação: O GABA é o principal neurotransmissor inibitório do SNC. Encontra-se distribuído por todo o encéfalo, desempenhando atividade inibitória sobre os neurônios serotoninérgicos dos núcleos da rafe, neurônios dopaminérgicos da região nigroestriatal e em outros sistemas. Os receptores do GABA encontram-se incorporados a um complexo constituído por um sítio auto inibitório, um canal de cálcio e um sítio onde se acoplam os benzodiazepínicos. Existem dois tipos de receptores, GABA-A e GABA-B. O primeiro está envolvido nas respostas de ansiedade e alimentação, enquanto o GABA-B está relacionado com a modulação cardiovascular, analgesia e depressão.

ÁCIDOS GRAXOS (GORDURA FECAL) - PESQUISA

Sinônimo: Teste do Sudan III.

Material: Fezes

Preparação do Cliente: Coletar as fezes em frasco limpo e vedar o mesmo.

Indicação: Diagnóstico de má absorção de gordura devido a distúrbios pancreáticos ou intestinais. Monitorização do tratamento dos distúrbios de má absorção.

ÁCIDOS GRAXOS LIVRES

Sinônimo: AGL

Material: Sangue

Interferentes: Lipemia e hemólise. - Não ingerir bebidas alcoólicas nas 24 horas que antecedem o exame.

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 12 horas. Para crianças menores de 1 ano: intervalo entre as mamadas (jejum de 3 horas); crianças de 1 a 4 anos: 6 horas de jejum; crianças a partir de 5 anos: critério igual ao dos adultos.

Indicação: Avaliação metabólica de pacientes com endocrinopatia ou determinados erros inatos metabólicos, assim como na avaliação de carências nutricionais.

ÁCIDO HIALURONICO - SORO

Sinônimo: Anti hialuronidase estreptocócica

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.



ÁCIDO HIPÚRICO PRÉ-JORNADA

Material: Urina Pré-Jornada de Trabalho

Preparação do Paciente: Coletar urina no final da jornada de trabalho em frasco fornecido pelo laboratório. Manter a amostra refrigerada para o envio ao laboratório.

Indicação: É o indicador biológico da exposição ocupacional ao tolueno. Absorvido principalmente por via pulmonar, o tolueno é biotransformado no fígado, formando ácido hipúrico, benzoilglicuronatos e, em menor proporção, outras substâncias. Interpretação clínica: Níveis acima do Índice Biológico Máximo Permitido (IBMP) indicam risco de toxicidade.

ÁCIDO HIPÚRICO PÓS-JORNADA

Material: Urina Pós-Jornada de Trabalho

Preparação do Paciente: Coletar urina no final da jornada de trabalho em frasco fornecido pelo laboratório. Manter a amostra refrigerada para o envio ao laboratório.

Indicação: É o indicador biológico da exposição ocupacional ao tolueno. Absorvido principalmente por via pulmonar, o tolueno é biotransformado no fígado, formando ácido hipúrico, benzoilglicuronatos e, em menor proporção, outras substâncias. Interpretação clínica: Níveis acima do Índice Biológico Máximo Permitido (IBMP) indicam risco de toxicidade.

ÁCIDO HIPÚRICO URINÁRIO PRÉ-JORNADA

Sinônimo: Tolueno

Material: Urina pré-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar urina no início da jornada de trabalho, em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: Avaliação de intoxicação pelo tolueno.

ÁCIDO HIPÚRICO URINÁRIO PÓS-JORNADA

Sinônimo: Tolueno

Material: Urina pós-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar urina no final da jornada de trabalho, em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: Avaliação de intoxicação pelo tolueno.

ÁCIDO HOMOGENTÍSICO – PESQUISA

Sinônimo: Alcaptonúria, Ocronose, HGA

Material: Urina jato médio

Preparação do Cliente: Coletar preferencialmente a primeira urina da manhã ou qualquer outra micção com intervalo de no mínimo 2 horas sem urinar. Não é recomendado realizar no período menstrual. Desprezar o 1º jato da urina no vaso sanitário e coletar o 2º jato de urina no pote estéril.

Indicação: Coletar preferencialmente a primeira urina da manhã ou qualquer outra micção com intervalo de no mínimo 2 horas sem urinar. Não é recomendado realizar no período menstrual. Desprezar o 1º jato da urina no vaso sanitário e coletar o 2º jato de urina no pote estéril.

ÁCIDO HOMOVANÍLICO - URINA 24h

Sinônimo: HVA

Material: Urina 24h acidificada

Preparação do Cliente: Para a determinação de ácido homovanílico, a amostra deve ser coletada em frasco limpo contendo 10 mL de uma solução de HCl à 50% ou 6N para cada litro urina. A coleta deverá ser feita em um frasco intermediário antes de depositar no frasco com conservante. Preferencialmente não realizar no período menstrual. Em casos excepcionais e nos de urgência, pode ser realizada a coleta de urina menstruada utilizando-se um tampão vaginal. Três (3) dias antes do início da coleta e no quarto dia, quando a coleta da urina será iniciada, o paciente deverá abster-se de qualquer substância que contenha: Café, Chá, Chocolate, Amendoim, Vanilina, Vitaminas, Refrigerantes, Nozes, Baunilha, Abacate, Banana, Ameixa, Berinjela, Tomate, Kiwi, Abacaxi, Sorvete, Manga. Os pacientes devem, também, abster-se de fumo, refrigerantes com cola e bebidas alcoólicas nestes 4 dias. Durante estes quatro (4) dias o paciente deverá alimentar-se de: Pão, Manteiga, Ovos, Açúcar, Leite integral, Arroz, Carne, Água a vontade. Algumas medicações podem alterar o resultado do exame. Evite o uso de medicamentos durante o período de dieta e coleta de material. Medicamentos prescritos só devem ser suspensos a critério do médico assistente.

Indicação: A principal indicação da determinação do ácido homovanílico consiste na investigação diagnóstica de pacientes com suspeita de neuroblastoma, dos quais 90-95% secretam ácido homovanílico em excesso.

ÁCIDO LÁTICO

Sinônimo: Lactato sanguíneo

Material: Plasma fluoretado - Ácido lático

Interferentes: Hemólise, infusões e injeções intravenosas que possam alterar o pH sanguíneo, epinefrina, exercício, LDH elevado, fenformina, isotiazida, acetaminofen, álcool, frutose, lipemia.

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Indicado na suspeita de acidose láctica que pode ocorrer nas seguintes situações:1 - Perfusão tecidual diminuída (desidratação, hipovolemia, insuficiência cardíaca e choque); 2 - Distúrbios metabólicos associados a doenças tais como diabetes mellitus, neoplasias e doenças hepáticas; 3 -Intoxicação por drogas/toxinas tais como, etanol, metanol e salicilatos; 4 - Erros inatos do metabolismo; 5 - Exercício físico intenso.

ÁCIDO LÁTICO – CURVA

Sinônimo: Lactato sanguíneo, lacticmia

Material: Plasma fluoretado - Ácido lático

Interferentes: Hemólise, infusões e injeções intravenosas que possam alterar o pH sanguíneo, epinefrina, exercício, LDH elevado, fenformina, isotiazida, acetaminofen , álcool, frutose, lipemia.

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: : Avaliação de acidose láctica; indicador de hipoperfusão tecidual localizada ou difusa; miopatias; fator prognóstico em avaliação de choque; diagnóstico de metabolismo defeituoso da biotina. Valores aumentados: ingestão de etanol, sepse, choque, doença hepática, cetoacidose diabética, exercício muscular intenso, hipóxia, hipoperfusão tecidual regional, doença de estoque do colágeno tipo I, deficiência de frutose 1, 6 difosfatase, deficiência de piruvato desidrogenase, defeito no metabolismo da biotina, estados inflamatórios, doença cardíaca congestiva, desidratação.

ÁCIDO LÁTICO – LCR

Sinônimo: Lactato

Material: Líquor

Preparação do Cliente: Coleta realizada por procedimento médico.

Indicação: A determinação do ácido láctico pode ser útil na diferenciação de meningites por bactérias, fungos ou micobactérias das meningites virais.

ÁCIDO MANDÉLICO URINÁRIO PRÉ-JORNADA

Sinônimo: Estireno

Material: Urina pré-jornada de trabalho.

Interferentes: Uso de álcool. Deve ser relatada qualquer exposição a medicamentos durante os três dias que precederam à coleta. A coleta da urina deve ser realizada após um mínimo de dois dias da suposta exposição.

Preparação do Cliente: Coletar urina no início da jornada de trabalho, em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: É o indicador biológico da exposição ocupacional ao estireno e ao etilbenzeno, que é um líquido incolor frequentemente usado na produção industrial de vários plásticos, isopores e em borrachas. Utilizado pata avaliação da toxicidade pelo estireno e etilbenzeno.

ÁCIDO MANDÉLICO URINÁRIO PÓS-JORNADA

Sinônimo: Estireno, Etil Benzeno

Material: Urina pós-jornada de trabalho.

Interferentes: Uso de álcool. Deve ser relatada qualquer exposição a medicamentos durante os três dias que precederam à coleta. A coleta da urina deve ser realizada após um mínimo de dois dias da suposta exposição. Idealmente, as amostras são coletadas no final do turno do último dia da semana trabalhada.

Preparação do Cliente: Coletar urina no final da jornada de trabalho, em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: É o indicador biológico da exposição ocupacional ao estireno e ao etilbenzeno, que é um líquido incolor frequentemente usado na produção industrial de vários plásticos, isopores e em borrachas. Utilizado pata avaliação da toxicidade pelo estireno e etilbenzeno.

ÁCIDO METIL HIPÚRICO URINÁRIO PRÉ-JORNADA

Material: Urina pré-Jornada de Trabalho

Preparação do Paciente: Coletar urina no final da jornada de trabalho em frasco fornecido pelo laboratório. Manter a amostra refrigerada para o envio ao laboratório.

Indicação: indicador biológico da exposição ocupacional ao xileno, utilizado na indústria como solvente para tintas e lacas, solvente em indústrias de couro e borracha, agente de limpeza e desengordurante e na indústria química, plástica e de fibras sintéticas. Pode ser absorvido por via pulmonar e cutânea e é biotransformado no fígado, formando os ácidos meta e para-metil-hipúrico. Do xileno absorvido cerca de 95% são excretados como ácido metil-hipúrico. Interpretação clínica: Níveis acima do índice biológico máximo permitido (IBMP) chamam a atenção para a possibilidade de intoxicação pelo xileno.

ÁCIDO METIL HIPÚRICO URINÁRIO PÓS-JORNADA

Material: Urina pós-Jornada de Trabalho

Preparação do Paciente: Coletar urina no final da jornada de trabalho em frasco fornecido pelo laboratório. Manter a amostra refrigerada para o envio ao laboratório.

Indicação: indicador biológico da exposição ocupacional ao xileno, utilizado na indústria como solvente para tintas e lacas, solvente em indústrias de couro e borracha, agente de limpeza e desengordurante e na indústria química, plástica e de fibras sintéticas. Pode ser absorvido por via pulmonar e cutânea e é biotransformado no fígado, formando os ácidos meta e para-metil-hipúrico. Do xileno absorvido cerca de 95% são excretados como ácido metil-hipúrico. Interpretação clínica: Níveis acima do índice biológico máximo permitido (IBMP) chamam a atenção para a possibilidade de intoxicação pelo xileno.

ÁCIDO METILMALÔNICO

Sinônimo: MMA, metilmalonato

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Suspeita de deficiência da metilmalonil-CoA mutase e na carência de vitamina B12, adquirida ou consequente a erro inato de seu metabolismo.

ÁCIDO METILMALÔNICO - URINA

Sinônimo: MMA, metilmalonato urina

Material: Urina

Preparação do Cliente: Coletar urina em coletor limpo e sem aditivo.

Indicação: Suspeita de deficiência da metilmalonil-CoA mutase e na carência de vitamina B12, adquirida ou consequente a erro inato de seu metabolismo.

ÁCIDO N-METILIMIDAZOLACÉTICO - URINA 24H

Material: Urina 24h

Preparação do Cliente: Coletar urina 24 h, misturar as amostras e anotar o volume final. Enviar uma alíquota de no mínimo 10 mL com o conservante HCl 50%. Adicionar 1 mL de HCl 50% em cada 10 mL de urina (pH 4). - Para as mulheres, não realizar no período menstrual. Em casos excepcionais e nos de urgência, pode ser realizada a coleta de urina menstruada utilizando-se um tampão vaginal.



ÁCIDOS ORGÂNICOS – SORO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Avaliação diagnóstica de acidemias orgânicas.

ÁCIDO OXÁLICO (OXALATO) – SORO

Sinônimo: Oxalato; Oxalato

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Avaliação de intoxicação pelo ácido oxálico.

ÁCIDO S FENILMERCAPTURICO - URINA

Sinônimo: Metabólito do Benzeno

Material: Urina pós jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar 25 mL de urina em frasco estéril e sem aditivo no final da jornada de trabalho.

Indicação: Indicadores Biológicos de Exposição (IBE) são utilizados como ferramentas importantes na avaliação da exposição humana ao benzeno. Com a diminuição dos limites de exposição, se faz necessário o desenvolvimento de metodologias analíticas com sensibilidade adequada para a determinação de IBE em fluidos biológicos que se correlacionem com baixas concentrações de benzeno absorvido pelo organismo.

ÁCIDO SALICÍLICO (ASPIRINA)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Avaliação de intoxicação por salicilatos.

ÁCIDO TRANS, TRANS-MUCONICO URINÁRIO PRÉ-JORNADA

Sinônimo: Benzeno

Material: Urina pré-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar a urina no início da jornada de trabalho, em coletor de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: Indicador biológico de exposição ao benzeno.

ÁCIDO TRANS, TRANS-MUCONICO URINÁRIO PÓS-JORNADA

Sinônimo: Benzeno

Material: Urina pós jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar a urina no final da jornada de trabalho, em coletor de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: Indicador biológico de exposição ao benzeno.

ÁCIDO TRICLORO ACÉTICO

Sinônimo: TCA, Tetracloreto de Etileno

Material: Urina pós jornada de trabalho

Preparação do Cliente: : Coletar a urina no final do último dia da jornada de trabalho, em coletor de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: Avaliação de intoxicação da exposição ao tetracloroetileno.

ÁCIDO ÚRICO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum aconselhável de 4 horas.

Indicação: Ocorre aumento na maioria dos pacientes com gota, na insuficiência renal, leucemia, policitemia, mieloma múltiplo, intoxicação por chumbo, cetoacidose, nos tratamentos com citostáticos ou tiazídicos, na síndrome de Lesch-Nyhan, nas hiperuricemias idiopáticas. Causas de diminuição são pouco frequentes, ocorrendo na síndrome de Fanconi, doença de Wilson e doenças malígnas como linfoma de Hodgkin e carcinoma broncogênico.

ÁCIDO ÚRICO URINÁRIO

Sinônimo: Urato urinário, AU na urina.

Material: Urina amostra isolada

Preparação do Cliente: Coletar a urina em coletor de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: É o produto final do catabolismo das purinas. Seus níveis urinários estão diretamente relacionados com a velocidade de sua formação e com a velocidade e capacidade de excreção. Avalia o metabolismo das purinas.

ÁCIDO ÚRICO URINÁRIO - 24h

Sinônimo: Urato urinário, AU na urina.

Material: Urina 24h

Preparação do Cliente: Coletar a urina durante 24h.

Indicação: É o produto final do catabolismo das purinas. Seus níveis urinários estão diretamente relacionados com a velocidade de sua formação e com a velocidade e capacidade de excreção. Avalia o metabolismo das purinas.

ÁCIDO VALPRÓICO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário. Deve ser realizada antes da próxima dose do medicamento. A dose de medicamento deve ser estável por pelo menos dois dias e não deve ter havido falha na tomada do mesmo. Em suspeita de intoxicação, pelo menos seis horas após a última dose.

Indicação: Monitoração de níveis terapêuticos de ácido valpróico (valproato), utilizado no tratamento de epilepsias. Os níveis séricos de ácido valpróico devem ser mantidos na faixa de referência indicada. Concentrações superiores às concentrações tóxicas podem causar toxicidade direta ou indireta em vários órgãos, notadamente fígado, medula óssea e tecido cerebral. Interferentes: recomenda-se tomada do medicamento e coleta da amostra realizadas de modo constante, dada à característica circadiana das concentrações de ácido valpróico. A exposição a qualquer agente metabolizado do álcool ou hepatotóxico pode interferir nos níveis séricos da droga, especialmente álcool. Processos patológicos que envolvam o fígado também podem interferir nos valores.

ÁCIDO VANIL MANDÉLICO

Sinônimo: VMA

Material: Urina 24h acidificada

Preparação do Cliente: A amostra deve ser coletada em frasco limpo e protegido da luz. A amostra deve ser coletada em frasco limpo contendo 10 mL de uma solução de HCl à 50% ou 6N para cada litro urina. A coleta deverá ser feita em um frasco intermediário antes de depositar no frasco com conservante. Preferencialmente não realizar no período menstrual. Em casos excepcionais e nos de urgência, pode ser realizada a coleta de urina menstruada utilizando-se um tampão vaginal. - Três dias antes do início da coleta e no quarto dia, quando a coleta da urina será iniciada, o paciente deverá abster-se de qualquer substância que contenha: Café, Chá, Chocolate, Amendoim, Vanilina, Vitaminas, Refrigerantes, Nozes, Baunilha, Abacate, Banana, Ameixa, Berinjela, Tomate, Kiwi, Abacaxi, Sorvete, Manga. - Os pacientes devem, também, abster-se de fumo, refrigerantes com cola e bebidas alcoólicas nestes quatro dias. Durante estes quatro dias o paciente deverá alimentar-se de: Pão, Manteiga, Ovos, Açúcar, Leite integral, Arroz, Carne, Água a vontade. Algumas medicações podem alterar o resultado do exame. Evitar o uso de medicamentos durante o período de dieta e coleta de material. Medicamentos prescritos só devem ser suspensos a critério do médico assistente.

Indicação: Diagnóstico de feocromocitoma; avaliação de quadros hipertensivos; seguimento de neuroblastomas e ganglioneuroblastomas.

ÁCIDO VANIL MANDÉLICO – URINA AMOSTRA ISOLADA

Material: Urina protegida da luz

Preparação do Paciente: Coletar urina em frasco protegido da luz. Preferencialmente não realizar no período menstrual. Em casos excepcionais e nos de urgência, pode ser realizada a coleta de urina menstruada utilizando-se um tampão vaginal. - Três (3) dias antes do início da coleta e no quarto dia, quando a coleta da urina será iniciada, o paciente deverá abster-se de qualquer substância que contenha: Café, Chá, Chocolate, Amendoim, Vanilina, Vitaminas, Refrigerantes, Nozes, Baunilha, Abacate, Banana, Ameixa, Berinjela, Tomate, Kiwi, Abacaxi, Sorvete, Manga. - Os pacientes devem, também, abster-se de fumo, refrigerantes com cola e bebidas alcoólicas nestes 4 dias. Durante estes quatro (4) dias o paciente deverá alimentar-se de: Pão, Manteiga, Ovos, Açúcar, Leite integral, Arroz, Carne, Água a vontade. - Algumas medicações podem alterar o resultado do exame. Evite o uso de medicamentos durante o período de dieta e coleta de material. Medicamentos prescritos só devem ser suspensos a critério do médico assistente.

Indicação: O ácido vanil mandélico (VMA) é o metabólito final da epinefrina e norepinefrina. Utilizado no diagnóstico de feocromocitoma; avaliação de quadros hipertensivos; seguimento de neuroblastomas e ganglioneuroblastomas. Valores aumentados: feocromocitoma, neuroblastoma, ganglioneuroma, ganglioblastoma.

ÁCIDO VANIL MANDÉLICO URINA 24 HORAS

Material: Urina 24 horas acidificada protegida da luz

Preparação do Paciente: Para a determinação de ácido vanil mandélico, a amostra deve ser coletada em frasco limpo protegido da luz, com solução de HCL à 50%. A coleta deverá ser feita em um frasco intermediário antes de depositar no frasco com conservante. Preferencialmente não realizar no período menstrual. Em casos excepcionais e nos de urgência, pode ser realizada a coleta de urina menstruada utilizando-se um tampão vaginal. - Três (3) dias antes do início da coleta e no quarto dia, quando a coleta da urina será iniciada, o paciente deverá abster-se de qualquer substância que contenha: Café, Chá, Chocolate, Amendoim, Vanilina, Vitaminas, Refrigerantes, Nozes, Baunilha, Abacate, Banana, Ameixa, Berinjela, Tomate, Kiwi, Abacaxi, Sorvete, Manga. - Os pacientes devem, também, abster-se de fumo, refrigerantes com cola e bebidas alcoólicas nestes 4 dias. Durante estes quatro (4) dias o paciente deverá alimentar-se de: Pão, Manteiga, Ovos, Açúcar, Leite integral, Arroz, Carne, Água a vontade. - Algumas medicações podem alterar o resultado do exame. Evite o uso de medicamentos durante o período de dieta e coleta de material. Medicamentos prescritos só devem ser suspensos a critério do médico assistente.

Indicação: O ácido vanil mandélico (VMA) é o metabólito final da epinefrina e norepinefrina. Utilizado no diagnóstico de feocromocitoma; avaliação de quadros hipertensivos; seguimento de neuroblastomas e ganglioneuroblastomas. Valores aumentados: feocromocitoma, neuroblastoma, ganglioneuroma, ganglioblastoma.

ÁCIDO 2 - ETOXIACÉTICO - URINA

Material: Urina pós jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar urina no final de jornada de trabalho em frasco de coleta de urina limpo e sem aditivo.



ÁCIDO 2 - TIO - TIAZOLIDINA 4 – CARBOXILICO

Sinônimo: TTCA, Dissulfeto de Carbono.

Material: Urina pós jornada de trabalho

Interferentes: Couve flor e repolho

Preparação do Cliente: Coletar urina no final de jornada de trabalho em frasco de coleta de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: Exame utilizado na avaliação de intoxicação por dissulfeto de carbono (CS2), um líquido incolor e volátil empregado na fabricação de sulfeto de carbono, na produção de tecidos sintéticos, sais de amônia, tetracloreto de carbono, tinturas, defensivos agrícolas, tubos eletrônicos a vácuo, vidro, tintas, esmaltes, vernizes, removedores, solventes, colas, preservativos, parasiticidas, inseticidas, na lavagem a seco, na galvanização, na fumigação de grãos e no processamento de azeite, enxofre, bromo, cera, graxas e iodo, que pode levar a intoxicações agudas e crônicas.

ÁCIDO 5 HIDROXI INDOL ACÉTICO – URINA 24h

Sinônimo: 5-HIAA Metabólito de serotonina.

Material: Urina 24h acidificada

Interferentes: Três dias antes da coleta, suspender o uso de medicamentos e se possível dispensá-los. Caso os medicamentos não possam ser suspensos, conversar com o Laboratório ou com seu médico. Os medicamentos que mais interferem são: acetaminofeno, salicilatos, fenacetina, xaropes para tosse, naproxeno, mefenesina, metocarbamol, imipramina, isoniazida, inibidores da MAO, metenamina, metildopa, fenotiazina. No dia anterior à coleta, evitar a ingestão dos medicamentos acima, e dos seguintes alimentos: banana, abacate, chocolates, berinjela, tomates, amendoim, kiwi, abacaxi, ameixa, nozes e bebidas alcoólicas.

Preparação do Cliente: Devido ao fato do ácido 5-hidroxi indol acético ser instável, em pH fortemente ácido a amostra deve ser coletada em frasco limpo contendo 10mL de uma solução de HCl à 50% ou 6N para cada litro urina. Manter o frasco com a urina de 24h sob-refrigeração.

Indicação: Utilizada no diagnóstico e seguimento de pacientes com síndrome carcinoide.

ACILCARNITINAS – PERFIL QUANTITATIVO

Sinônimo: Perfil de acilcarnitinas

Material: Sangue (papel filtro)

Preparação do Cliente: Realizar assepsia no calcanhar do RN com swab de álcool a 70% massageando bem. Esperar o álcool secar, antes de iniciar a coleta. Com o auxílio de uma lanceta, retirar a primeira gota de sangue com uma gaze e descartar. Preencher todos os círculos completamente, encostando delicadamente o filtro na gota que se forma no calcanhar do bebê. Deixar o sangue fluir naturalmente sem apertar o calcanhar que pode liberar o plasma diluindo o material coletado. A camada de sangue deve ser fina e homogênea sem excesso ou manchas e não encostar os dedos no círculo preenchido. Fazer movimentos circulares com o papel, não deixando coagular o material durante a coleta. Não usar frente e verso do papel para preencher o círculo. Após a coleta deixe o filtro secar por 2 a 3 horas normalmente em temperatura ambiente, sem exposição a altas temperaturas ou a secagem forçada ou a umidade, e protegido da luz solar direta.

Indicação: Utilizado para a avaliação de crianças com teste de triagem neonatal positivo para doença metabólica, de pacientes com sinais de possível condição metabólica e na monitoração de indivíduos diagnosticados com doença metabólica. As doenças avaliadas são: distúrbios de oxidação de ácidos graxos: deficiência de desidrogenase das acil-CoA dos ácidos graxos de cadeia média (MCAD), de Acil-CoA desidrogenase de cadeias muito longas (VLCAD), de Acil-CoA desidrogenase de cadeias curtas (SCAD), de mioadenilato deaminase (MAD), de 3-hidroxiacil-CoA desidrogenase de cadeias longas (LCHAD) e de carnitina-palmitoil transferase II (CPT II); 20 acidemias orgânicas, sendo as principais: acidemia propiônica, acidemia metilmalônica, acidemia isovalérica, acidemia glutárica tipo I e deficiências de 3 metil CoA carboxilase e de beta cetotiolase.

ACONDROGÊNESE TIPO 1B (SLC26A2) – SEQUENCIAMENTO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: As características clínicas da acondrogênese tipo 1B (ACG1B) incluem extremidades extremamente curtas, com dedos curtos nas mãos e nos pés, hipoplasia do tórax, abdome protuberante e aspecto do feto hidrópico causado pela abundância de tecido mole com relação ao esqueleto. O rosto é plano, o pescoço é curto e o tecido mole do pescoço pode ser grosso. A morte ocorre antes de nascer ou pouco depois do nascimento. O diagnóstico de ACG1B se baseia em uma combinação de manifestações clínicas, radiológicas e histopatológicas. SLC26A2 (DTDST) é o único gene em que são conhecidas mutações atualmente que podem causar ACG1B.

ACONDROPLASIA (SEQUENCIAMENTO VARIANTE G1138A – GENE FGFR3)

Sinônimo: ACH

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A Acondroplasia é um transtorno genético que se apresenta em 1 a cada 25.000 crianças nascidas vivas. Trata-se de um transtorno do crescimento ósseo; sem crescimento normal da cartilagem. É o tipo mais frequente de nanismo que existe, caracterizado por um encurtamento dos ossos longos e manutenção do comprimento da coluna vertebral, o que dá um aspecto um tanto desarmônico: macrocefalia, pernas e braços curtos e um tamanho normal de tronco, entre outras irregularidades fenotípicas. A doença é autossômica dominante, embora uns 90% dos pacientes afetados são filhos de pais não afetados. Estes casos se devem a novas mutações, por exemplo, acidentes genéticos no gene FGFR que codifica um receptor fibroblástico do hormônio do crescimento, que se expressa na cartilagem provisional. A mutação implica um só gene e pode ser detectada por meio de análise molecular. O diagnóstico pré-natal está disponível. Mais de 99% dos indivíduos com acondroplasia têm uma das duas mutações em FGFR3 comuns. Duas substituições diferentes no nucleotídeo 1138 resultam na mudança de aminoácidos p.Gly380Arg.

ACTH - HORMÔNIO ADRENOCORTICOTRÓFICO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: A coleta deve ser feita preferencialmente até duas horas após o horário habitual de o cliente acordar. Até 2 Anos de idade jejum mínimo necessário de 3 horas e acima de 2 anos de idade, jejum mínimo necessário de 8 horas.

Indicação: A dosagem desse hormônio é útil no diagnóstico diferencial da insuficiência adrenal (IA) e da síndrome de Cushing (SC). A dosagem de ACTH também pode ser utilizada no acompanhamento de portadores de hiperplasia de suprarrenal por hiperplasia adrenal congênita.

ACTH - HORMÔNIO ADRENOCORTICOTRÓFICO – CURVA

Sinônimo: Hormônio adrenocorticotrófico, corticotrofina

Material: Sangue

Interferentes: Ictéricia (concentrações de bilirrubina acima de 200mg/L), Hemólise (concentrações de hemoglobina acima de 512mg/dL) e Lipemia (concentrações de triglicerídeos acima de 5000mg/dL).

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário. A coleta deve ser feita preferencialmente até duas horas após o horário habitual do paciente acordar.

Indicação: A dosagem desse hormônio é útil no diagnóstico diferencial da insuficiência adrenal (IA) e da síndrome de Cushing (SC). A dosagem de ACTH também pode ser utilizada no acompanhamento de portadores de hiperplasia de suprarrenal por hiperplasia adrenal congênita. Indicado para o diagnóstico de IA e de SC.

ADALIMUMAB (HUMIRA) RESISTÊNCIA AO TRATAMENTO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: HUMIRA é um medicamento de prescrição utilizado para reduzir os sinais e sintomas de artrite reumatóide moderada a grave (RA) em adultos. Moderada a grave artrite idiopática juvenil poliarticular (AIJ) em crianças de 2 anos de idade e mais velhos. Artrite psoriática (PSA) em adultos. Espondilite anquilosante (EA) em adultos. Moderada a grave doença de Crohn (CD) e a alcançar e manter a remissão clínica em adultos que não responderam bem aos tratamentos convencionais. Moderada a grave doença de Crohn (CD) e para alcançar e manter a remissão clínica em crianças de 6 anos de idade e mais velhos quando determinados tratamentos não funcionaram bem o suficiente. Moderada a hidradenite supurativa grave (HS) em adultos. Em adultos, para ajudar a obter moderada a grave colite ulcerosa (UC).

ADAMTS-13 ANTICORPOS INIBIDORES FATOR V. WILLEBRAND

Sinônimo: Ac inibidores anti-protease de ruptura de Fator.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A enzima A Desintegrin And Metalloprotease with eight ThromboSpondin-1-like 13 (ADAMTS13) é responsável por clivar e removidos da circulação os multímeros de FVW liberados nos locais de lesão endotelial. Em condições fisiológicas, assim que são liberados da célula endotelial, pela enzima A Desintegrin And Metalloprotease with eight ThromboSpondin-1-like 13 (ADAMTS13). O termo ADAMTS corresponde à sigla de e o número 13 porque essa é a 13ª enzima de uma família de 19 enzimas.

ADAMTS-13 ANTÍGENO DA PROTEASE DE RUPTURA FATOR V. WILLEBRAND

Sinônimo: Antígeno da protease de ruptura Fator V.Willebrand

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.



ADAMTS-13 ATIVIDADE DE PROTEASE DE RUPTURA FATOR V. WILLEBRAN

Sinônimo: Atividade da protease de ruptura Fator V.Willebran.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Os pacientes com TTP - Purpura Trombocitopénica Trombótica familiar apresentam um déficit completo da atividade de ADAMTS-13 e ausência de anticorpos anti-ADAMTS-13. Os pacientes com TTP - Purpura Trombocitopénica Trombótica não familiar apresentam um déficit na atividade de ADAMTS-13 e presença de anticorpos anti-ADAMTS-13.

ADENOSINA DEAMINASE – ADA

Sinônimo: ADA

Material: Líquido cavitário

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Auxílio no diagnóstico da tuberculose e diagnóstico das meningites. Diferenciação diagnóstica da atividade celular imune no sangue.

ADENOVÍRUS

Sinônimo: Detecção por PCR

Material: Lavado bronco alveolar

Indicação: Suspeita de infecção por adenovírus em imunossuprimidos ou recém-nascidos. O exame pode ser realizado em urina, escarro, lavado bronco alveolar, secreção conjuntival, secreção orofaríngea, secreção traqueal, líquido pleural, pericárdico e sinovial, e líquor.

ADENOVÍRUS - ANTICORPOS IgG

Sinônimo: Anticorpos anti-adenovírus IgG

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de infecção por Adenovírus.

ADENOVÍRUS – FEZES

Material: Fezes

Preparação do Cliente: Coletar fezes em frasco limpo.

Indicação: Diagnóstico nas fezes de infecção por Adenovírus.

ADIPONECTINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 12 horas. Para crianças, ficam estabelecidos os seguintes intervalos de jejum: Menores de 1 ano: Intervalo entre as mamadas (jejum de 3 horas); crianças de 1 a 4 anos: 6 horas de jejum Crianças a partir de 5 anos: Igual critério para adultos.

Indicação: Tem sido utilizada avaliação de resistência à insulina, predição de esteatose hepática não alcóolica e risco de aterogênese. Potencial utilidade na avaliação de resposta inflamatória, especialmente em pacientes obesos diabéticos e/ou dislipidêmicos.

ADRENOLEUCODISTROFIA (GENE ABCD1)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A adrenoleucodistrofia é uma doença de herança recessiva ligada ao cromossomo X. A doença afeta o sistema nervoso (substância branca) e glândulas endócrinas, especialmente a hipófise e adrenal. As formas cerebrais se manifestam geralmente entre os 4 e 8 anos de idade.

ALBINISMO OCULAR TIPO 1 (GENE GPR143)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O Albinismo Ocular tipo 1 (OA1), também chamado de síndrome Nettleship-Falls, é o tipo mais comum de albinismo ocular. Trata-se de um tipo de doença hereditária recessiva ligada ao cromossomo X, no qual o pigmento do epitélio pigmentar da retina está alterado enquanto aparece normal no cabelo e pele.

ALBINISMO TIPO 1 (GENE TYR)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O albinismo óculo-cutâneo é caracterizado pela hipopigmentação da pele e do cabelo e as características oculares variam, encontrando-as em todos os tipos de albinismo, nistagmo, redução da pigmentação da íris, redução da pigmentação da retina, hipoplasia foveal associada a redução da acuidade visual, redução da visão estereoscópica. Estão descritos vários subtipos clínicos e existe heterogeneidade genética: O albinismo óculo cutâneo tipo 1 (OCA1A) é causado por mutações no gene TYR com herança autossômica recessiva. Os indivíduos afetados apresentam, ao nascer, cabelo branco, pele clara e íris translúcida que não escurece com a idade. O albinismo óculo cutâneo tipo II (OCA2) é causado por mutações no gene OCA2, com herança autossômica recessiva. No momento do nascimento, os indivíduos com OCA2 têm o cabelo branco ou amarelo claro, que escurece com a idade, pele branca que desenvolve, com o tempo, certo grau de pigmentação e íris azul, que muda para cinza ou esverdeado, com o passar do tempo.

ALBINISMO TIPO 2 (GENE OCA2)

Sinônimo: OCA2

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Mais de 80 mutações no gene OCA2 foram identificados em pessoas com albinismo óculo-cutâneo tipo 2. Pessoas com esta forma de albinismo têm, frequentemente, cabelo amarelo claro, loiro ou castanho claro; pele branca cremosa; olhos claros; e problemas com a visão. A mutação no gene OCA2 mais comum é uma deleção no gene, que é encontrada em muitos indivíduos da África subsaariana. Outras mutações no gene OCA2, incluindo alterações em nucleotídeos únicos de DNA (pares de bases) e pequenas deleções, são mais comuns em outras populações. Mutações no gene OCA2 interrompem a produção natural de melanina, que reduz a coloração dos cabelos, pele e olhos e afeta a visão.

ALBINISMO TIPO 2 (Screening del 2,7 kb no gene OCA2)

Sinônimo: OCA2, Deleção de 2,7 Kb

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O albinismo óculo cutâneo tipo II (OCA2) é causado por mutações no gene OCA2, com herança autossômica recessiva. No momento do nascimento, os indivíduos com OCA2 têm o cabelo branco ou amarelo claro, que escurece com a idade, pele branca que desenvolve, com o tempo, certo grau de pigmentação e íris azul, que muda para cinza ou esverdeado, com o passar do tempo. A maioria da população subsaariana afetada pelo albinismo óculo-cutâneo tipo 2 apresenta uma deleção em homozigose de 2.7 kb no gene OCA2.

ALBUMINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 4 horas.

Indicação: Marcador de desordem do metabolismo proteico. A Albumina representa cerca de 60% das proteínas plasmáticas e sua elevação geralmente está relacionada a diminuição da volemia (desidratação aguda ), já sua elevação está relacionada com redução de sua síntese ( como cirrose hepática e desnutrição ), aumento do catabolismo (infecções e hipertireoidismo ) ou por perdas anormais ( choque hipovolêmico e síndrome de má absorção intestinal).

ALBUMINA LÍQUIDO ASCÍTICO

Material: Líquido ascítico

Preparação do Cliente: Coleta realizada por procedimento médico.

Indicação: A determinação de albumina nos líquidos cavitários permite o diagnóstico diferencial entre transudatos e exsudatos, sendo vantajosa sobre a determinação da proteína total. Indicada para comparação de albumina em líquidos com albumina sérica.

ALBUMINA – LÍQUOR

Material: Líquor

Preparação do Cliente: Coleta realizada por procedimento médico.

Indicação: Avaliação da integridade da barreira hematoencefálica. Utiliza-se a relação entre os valores da albumina no soro e no líquor como um índice de avaliação da permeabilidade da barreira hematoencefálica.

ALBUMINA PLASMÁTICA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Marcador de desordens do metabolismo protéico (nutricional síntese reduzida, perda aumentada); avaliação de status nutricional; pressão oncótica sanguínea; doença renal com proteinúria; outras doenças crônicas.

ALBUMINA – SORO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Marcador de desordens do metabolismo protéico (nutricional síntese reduzida, perda aumentada); avaliação de status nutricional; pressão oncótica sanguínea; doença renal com proteinúria; outras doenças crônicas. A albumina elevada significa desidratação aguda (geralmente associada a aumento de hemoglobina e hematócrito). Sua diminuição pode ser encontrada no uso de hidratação venosa (hidratação rápida, hiper-hidratação), cirrose hepática, alcoolismo crônico, na gravidez e uso de anticoncepcionais orais, e em muitas doenças crônicas.

ALDOLASE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 4 horas. Suspender qualquer medicamento injetável via IM 24 horas antes da coleta. Evitar contato com inseticidas organofosforados.

Indicação: : A aldolase A é predominantemente da musculatura esquelética e a aldolase B é predominantemente hepática. É utilizada na avaliação dos processos de depleção muscular. Elevações importantes são observadas em doenças primárias do músculo esquelético, como distrofia muscular progressiva forma Duchenne e dermatomiosites. Também pode estar elevada na hepatite e outras doenças hepáticas, infarto do miocárdio, pancreatite hemorrágica, delirium tremens e em alguns casos de neoplasia. Valores diminuídos: perda de massa muscular.

ALDOSTERONA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 8 horas. Suspensão de qualquer medicamento a base de metoclopramida, captopril ou diurético. Coletar preferencialmente até às 10 horas da manhã, ou conforme a orientação médica. O paciente deverá permanecer por 2 horas em pé (parado ou andando) antes da coleta, ou conforme orientação médica. Caso seja solicitada Aldosterona em repouso, o paciente deverá permanecer por cerca de 30 minutos deitado.

Indicação: Diagnóstico do hiperaldosteronismo e hipoaldosteronismo. Idealmente seu valor diagnóstico reside na sua avaliação junto com o resultado de atividade de renina plasmática (APR). O exame pode ser útil nos diagnósticos de síndrome de Bartter, assim como no estudo de pacientes hipertensos com outros distúrbios do metabolismo de sódio e potássio.

ALDOSTERONA – Curva

Sinônimo: Mineralocorticoide

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não necessário. Suspensão de qualquer medicamento a base de metoclopramida, captopril ou diurético. Coletar preferencialmente até às 10 horas da manhã, ou conforme a orientação médica, o paciente deverá permanecer por 2 horas em pé (parado ou andando) antes da coleta, ou conforme orientação médica. Caso seja solicitada Aldosterona em repouso, o paciente deverá permanecer por cerca de 30 minutos sentado.

Indicação: Estudo da hipertensão arterial, em especial no diagnóstico do hiperaldosteronismo primário (HAP) assim como na diferenciação entre os subtipos de HAP corrigíveis e não corrigíveis cirurgicamente (adenoma e hiperplasia). Diagnóstico do hiperaldosteronismo secundário.

ALDOSTERONA URINÁRIA - 24h

Sinônimo: Aldo na urina

Material: Urina 24hrs

Preparação do Cliente: Colher todo volume de urina em 24 horas.

Indicação: Suspeita de hipertensão arterial secundária a hiperaldosteronismo primário (HAP). Também é utilizado na avaliação de hipoaldosteronismo.

ALFA FETOPROTEÍNA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum mínimo de 3 horas para todas as idades.

Indicação: É um marcador tumoral útil, sobretudo, na monitorização do tratamento do carcinoma hepatocelular e de tumores germinativos gonadais e extragonadais. No diagnóstico pré natal de anomalias cromossômicas, deve ser dosada entre a 15ª e a 21ª semanas de gestação. Também se tem encontrado valores aumentados no retardo do crescimento intrauterino e na hipertensão materna severa. Várias são as outras situações e doenças, malignas e benignas, associadas com alterações da alfafetoproteina, de modo que a interpretação de seus resultados, frequentemente necessita exames adicionais para melhor esclarecimento diagnóstico.

ALFA FETOPROTEÍNA – LÍQUOR

Sinônimo: AFP no líquido cefalorraquidiano

Material: Líquor

Preparação do Cliente: Coleta realizada por procedimento médico.

Indicação: Investigação de tumores do sistema nervoso central.

ALFA-GALACTOSIDASE A – ATIVIDADE ENZIMÁTICA

Sinônimo: Doença de Fabry

Material: Sangue em papel filtro

Preparação do Cliente: Realizar a coleta de sangue venoso, e preencher os círculos do papel filtro.

Indicação: Exame útil no diagnóstico da doença de Fabry. A alfagalactosidase é uma enzima presente nos lisossomos, que atua no catabolismo de glicoesfingolípides. A deficiência desta enzima causa a doença de Fabry, que se caracteriza por deposição de globotriasilceramida no lisossomo de células endoteliais. É uma doença geneticamente determinada, de herança recessiva ligada ao X, o que faz com que indivíduos do sexo masculino sejam mais gravemente acometidos. Do ponto de vista clínico, a doença de Fabry se manifesta na infância e adolescência com intensas dores espontâneas em extremidades, ectasias vasculares (angioqueratomas) na pele e mucosas, hipoidrose e opacificação de córnea e cristalino. Anteriormente, surgem sinais de comprometimento da função renal (hipoestenúria e proteinúria), com evolução para hipertensão arterial e insuficiência renal. Recentemente, foi introduzido tratamento da doença de Fabry por meio de reposição enzimática.

ALFA-GALACTOSIDASE A – PLASMA

Sinônimo: Doença de Fabry, deficiência de angioqueratoma difusa

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A doença de Fabry é um erro inato do metabolismo, do grupo das doenças de depósito lisossomal, e, apesar de tratar-se de condição ligada ao cromossomo X, deve ser considerada, tanto em homens quanto em mulheres, com quadro clínico sugestivo.

ALFA-IDURONIDASE - PLASMA

Sinônimo: Mucopolissacaridose tipo I, Mucolipidose

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O ensaio enzimático é utilizado para a definição do tipo MPS. Interpretação clínica: O diagnóstico da MPS I é confirmado a partir da demonstração da atividade deficiente da enzima alfa-L-iduronidase, que pode ser mensurada em leucócitos de sangue periférico, plasma ou fibroblastos cultivados. Praticamente nenhum indivíduo com MPS I tem atividade enzimática detectável; o nível de atividade enzimática não é correlacionado com a gravidade da doença.

ALFA-MANOSIDASE (PROTOCOLO MUCOLIPIDOSE)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: É uma enzima lisossomal cuja deficiência leva à alfa-manosidose, com bloqueio na cadeia catabólica e resultando em acúmulo de oligossacarídeos lisossomais não degradados. O diagnóstico é baseado na demonstração da atividade deficiente da enzima alfa-manosidase em leucócitos ou outras células nucleadas como fibroblastos.

ALFA-MSH (HORMÔNIO ALFA ESTIMULADOR DE MELANÓCITO)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O hormônio alfa estimulador de melanócito (alfa-MSH) é um neuropeptídio com atividade anti-inflamatória que apresenta efeitos benéficos em modelos experimentais de doenças autoimunes. Ele tem entre suas funções suprimir o apetite, sendo estimulado pela leptina e também por sono adequado.

ALFA-N-ACETILGLICOSAMINIDASE – PLASMA

Sinônimo: Mucopolissacaridose tipo III B

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: As mucopolissacaridoses (MPS) são doenças de depósito lisossomal com envolvimento multissistêmico. Na mucopolissacaridose tipo IIIB ou doença de Sanfilippo o envolvimento sistêmico é menos evidente do que nas demais formas. Diante da suspeita da doença e realização da triagem com os testes urinários e cromatografia com dosagem de glicosaminoglicanos, a deficiência desta enzima contribui para a definição deste subtipo.

ALFA-TALASSEMIA – ESTUDO MOLECULAR

Sinônimo: Diagnóstico molecular da alfa talassemia

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A alfa-talassemia é o resultado da redução da produção de cadeias de alfa globina, geralmente causada por deleção de 1 a 4 genes da globina, ou ser gerada por pequenas mutações pontuais. Indicada para o aconselhamento genético de famílias acometidas, período pré-natal, estudos populacional e diagnóstico ou confirmação diagnóstica dos casos de talassemia a+ homozigota e a0 heterozigota.

ALFA 1 ANTITRIPSINA

Sinônimo: ALFATRIP

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de deficiências hereditárias na produção de (A1AT), possíveis fatores para doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e doença hepática; diagnóstico de cirrose hepática e hepatite crônica ativa; investigação de enfisema, hepatite neonatal, cirrose juvenil, paniculite.

ALFA 1 ANTITRIPSINA – FEZES

Sinônimo: ALFATRIP nas fezes

Material: Fezes

Preparação do Cliente: Coletar as fezes diretamente no frasco estéril. Não coletar do vaso sanitário e não misturar com urina; coletar as fezes sem laxantes. Evitar o uso de medicamentos até 3 dias antes da coleta do material, principalmente contrastes radiológicos.

Indicação: Avaliação de perda proteica pelo tubo digestivo.

ALFA 1 GLICOPROTEÍNA ÁCIDA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 4 horas.

Indicação: No monitoramento de processos inflamatórios em geral. É útil também no diagnóstico diferencial entre transudato e exsudato em líquido ascítico, derrame pleural ou pericárdico. Interpretação clínica: Eleva-se na artrite reumatóide, no lúpus eritematoso sistêmico, nas doenças intestinais inflamatórias e em outros processos inflamatórios. Seus níveis também sobem em processos de grande proliferação celular, como o que ocorre nas neoplasias.

ALFA 1 MICROGLOBULINA (CREATININA) – URINA

Material: Urina

Preparação do Cliente: Coletar urina em frasco estéril.

Indicação: A alfa1-microglobulina é uma glicoproteína com carga heterogênea, produzida pelo fígado e que não se altera nos processos inflamatórios não sendo, portanto, considerada como uma proteína de fase aguda. Utilizada também para diagnóstico e monitoramento das disfunções tubulares proximais.

ALFA 2 - ANTIPLASMINA

Sinônimo: Inibidor de Plasminas (Atividade)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Determinação funcional da atividade plasmática da alfa 2 antiplasmina para diagnóstico da deficiência de síntese, aumento de consumo e monitorização da terapia de reposição.

ALFA 2 – MACROGLOBULINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Avaliação das reações inflamatórias e imunológicas.

ALPRAZOLAM (TRANKIMAZIN)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: É uma droga derivada de benzodiazepínicos usados para tratar estados de ansiedade especialmente ataques de pânico como agorafobia, ataques e estresse intenso pânico.

ALUMÍNIO PÓS DESFERAL

Sinônimo: Alumínio sanguíneo pós desferal

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O desferal é um medicamento injetável utilizado para o tratamento do acúmulo crônico de alumínio, em pacientes com insuficiência renal terminal em diálise de manutenção, com doença óssea relacionada ao alumínio, encefalopatia por diálise, ou anemia relacionada ao alumínio. Pode ser utilizado também para fins de diagnóstico do acúmulo de alumínio e durante o teste com desferal.

ALUMÍNIO SÉRICO

Sinônimo: Alumínio sanguíneo, AL

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Exame utilizado na monitoração de indivíduos sob risco de intoxicação, como crianças em alimentação parenteral e queimados em uso de albumina endovenosa. Um grupo especial é o de pacientes com insuficiência renal crônica (IRC), inclusive os em diálise, especialmente se o alumínio no líquido de diálise estiver acima de 10 ng/mL.

ALUMÍNIO URINÁRIO PRÉ-JORNADA

Sinônimo: AL

Material: Urina pré-jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar urina de pré-jornada de trabalho em frasco de coleta de urina limpo e sem aditivo.

Indicação: Monitoramento de toxicidade do alumínio em pacientes sob risco de intoxicação industrial.

ALUMÍNIO URINÁRIO PÓS JORNADA

Sinônimo: AL

Material: Urina pós jornada de trabalho

Preparação do Cliente: Coletar 50 mL de urina no final da jornada de trabalho.

Indicação: Monitoramento de toxicidade do alumínio em pacientes sob risco de intoxicação industrial.

ALZHEIMER – ESTUDO MOLECULAR DA PRESENILINA 1 (GENE PSEN1)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: A Doença de Alzheimer é a forma mais frequente de demência em indivíduos com idade superior a 65 anos. Caracteriza-se por uma demência progressiva associada à atrofia cerebral (parietal e occipital), formação de placas amiloides e deposição intraneuronal de tranças neurofibrilhares. Por vezes, em famílias com múltiplos indivíduos afetados em mais do que uma geração a Doença de Alzheimer apresenta-se como uma doença autossômica dominante. Foram identificados três genes responsáveis pela forma familiar de Alzheimer com inicio precoce: os genes das presenilinas PSEN1 e PSEN2 e o gene APP, precursor da proteína beta amiloide. A grande maioria das mutações (30-70%) encontram-se no gene PSEN1.

AMAUROSE CONGÊNITA DE LEBER

Sinônimo: Gene CRX, mutações; amaurose congênita de Leber

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O cone-rod homeobox-containing gene (gene CRX) está localizado no 19q13.33 e é relacionado ao desenvolvimento de células fotorreceptoras. A amaurose congênita de Leber e a distrofia retiniana de cones-bastonetes podem estar relacionadas a mutações neste gene. Indicada para o estudo genético da amaurose congênita de Leber; estudo genético da distrofia retiniana de cones-bastonetes.

AMAUROSE CONGÊNITA DE LEBER – DEGENERAÇÃO DE CONES E BASTÕES

Sinônimo: Gene CRX, mutações; amaurose congênita de Leber

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O cone-rod homeobox-containing gene (gene CRX) está localizado no 19q13.33 e é relacionado ao desenvolvimento de células fotorreceptoras. A amaurose congênita de Leber e a distrofia retiniana de cones-bastonetes podem estar relacionadas a mutações neste gene. Indicada para o estudo genético da amaurose congênita de Leber; estudo genético da distrofia retiniana de cones-bastonetes.

AMILASE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: A amilase está presente em vários órgãos e tecidos, tendo concentração maior no pâncreas e glândulas salivares. Ocorre aumento da amilase em doenças pancreáticas. No entanto, o aumento da amilase não é específica para doenças pancreáticas. Outras doenças não pancreáticas podem elevar os níveis de amilase no soro como na perfuração do intestino, na úlcera péptica penetrante para o pâncreas, na obstrução duodenal e nas parotidites (caxumba) devido à amilase salivar. Casos de cetoacidose diabética e de gravidez ectópica podem apresentar também níveis altos de amilase no soro. Algumas drogas como etanol, narcóticos e colinérgicos aumentam a amilase por efeito fisiológico.

ANDROSTENEDIONA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 4 horas.

Indicação: No diagnóstico de síndromes hiperandrogênicas em crianças e mulheres. No seguimento de pacientes com hiperplasia adrenal congênita por defeito de 21 hidroxilase.

ANGIOTENSINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Fique uma hora deitado antes da coleta do sangue.

Indicação: Angiotensina é um polipeptídio que estimula a constrição dos vasos sanguíneos e a secreção da aldosterona pelo córtex adrenal.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C1) – DROGAS – PENICILINA G

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Penicilina G.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C2) – DROGAS – PENICILINA V

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Penicilina V.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C5) – DROGAS – AMPICILINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Ampicilina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C6) – DROGAS – AMOXICILINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Amoxicilina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C8) - CLORHEXIDINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Clorhexidina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C70) – DROGAS – INSULINA SUÍNA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Insulina Suína.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C71) – DROGAS – INSULINA BOVINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Insulina Bovina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C73) – DROGAS – INSULINA HUMANA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Insulina Humana.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C74) – GELATINA BOVINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gelatina Bovina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C201) - CEFALOSPORINAS

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Cefalosporinas.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (c202) - SUXAMETHONIUM

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Suxamethonium.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (c209) - PARACETAMOL

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Paracetamol.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C212) - ERITROMICINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Eritromicina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C213) - GENTAMICINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gentamicina.

ANTICORPOS IgE ESPECIFICO (C217) - AC ACETILSALICÍLICO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácido Acetil Salicílico.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C223) - SULFAMETOXAZOLO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Sulfametoxazol.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C232) - LIDOCAÍNA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Lidocaína.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C233) – MEPIVACAÍNA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Mepivacaína.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C234) - PRILOCAÍNA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Prilocaína.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C281) - DICLOFENACO (VOLTAREN)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Diclofenaco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C284) – PROCAÍNA (NOVOCAÍNA)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Procaína.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C285) – BUPIVACAINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Bupivacaina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C286) – IBUPROFENO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ibuprofeno

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C288) – AMINOGLICOSÍDEOS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas aos aminoglicosídeos.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C294) – DIPIRONA (METAMIZOL)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Dipirona.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C295) – ESTREPTOMICINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Estreptomicina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C300) – CODEÍNA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Codeína.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C304) – PIROXICAM

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Piroxicam.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C305) – AC. CLAVULÂNICO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ácido Clavulânico.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C306) – CLINDAMICINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Clindamicina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C307) – CIPROFLOXACINO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ciprofloxacino.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C309) – CEFALEXINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Cefalexina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C327) – ATROPINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Atropina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C330) – CLORETO DE BENZALCÔNIO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Cloreto de Benzalcônio.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C338) – CARBAMAZEPINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carbamazepina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C375) – FOSFOMICINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Fosfomicina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C386) – CETOPROFENO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Cetoprofeno.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C398) – METRONIDAZOL

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Metronidazol.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C419) – FENILBUTAZONA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Fenilbutazona.

ANTICORPOS IgE ESPECIFICOS (C616)- IODO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao iodo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C703) – ÁCIDO BENZÓICO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ácido Benzóico.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C712) – SULFITO SÓDICO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Sulfito Sódico.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C717) – TARTRAZINA

Sinônimo: Corante Amarelo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Tartrazina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (C721) – VITAMINA B12

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Vitamina B12.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D1) – ÁCAROS – D. PTERONYSSINUS

Sinônimo: Dermatophagoide pteronyssinus, DPT

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Dermatophagoide pteronyssinus.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D2) – ÁCAROS – D. FARINAE

Sinônimo: Dermatophagoide farinae, DF

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Dermatophagoide farinae.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D3) – ÁCAROS – D. MICROCERAS

Sinônimo: Dermatophagoide microceras

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Dermatophagoide microceras.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D70) – ÁCAROS – ACARUS SIRO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Acarus siro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D71) – ÁCAROS – L. DESTRUCTOR

Sinônimo: Lepidoglyphus destructor

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Lepidoglyphus destructor.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D72) – ÁCAROS - T. PUTRESCENTIAE

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro T. putrescentiae.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D73) – ÁCAROS - G. DOMESTICUS

Sinônimo: Glycyphagus domesticus

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Glycyphagus domesticus.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D74) – ÁCAROS - EUROGLIPHUS MAYNEI

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Eurogliphus maynei.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D201) – ÁCAROS – BLOMIA TROPICALIS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Blomia tropicalis.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D202) – ÁCAROS – D. PTERONYSSINUS RDER P 1

Sinônimo: rDer p 1, D. pteruyssinus rDer p 1

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro D. pteronyssinus rder p 1.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D203) - NDER P2

Sinônimo: Dermatophagoides pteronissinus

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Dermatophagoides pteronissinus.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (D205) – ÁCAROS – TROPOMIOSINA

Sinônimo: D. pteronyssius - nDer p10

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao ácaro Tropomiosina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E1) – EPITÉLIOS - CASPA DE GATO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Caspa de Gato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E3) – EPITÉLIOS – CASPA DE CAVALO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas à Caspa de Cavalo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E4) – EPITÉLIOS – CASPA DE VACA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas à Caspa de Vaca.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E5) – EPITÉLIOS – CASPA DE CÃO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas à Caspa de Cão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E6) – EPITÉLIOS – PELO DE COBAIA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pelo de Cobaia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E7) – EPITÉLIOS - EXCREMENTO DE POMBO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Excremento de Pombo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E70) – EPITÉLIOS – PENAS DE GANSO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas às Penas de Ganso.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E71) – EPITÉLIOS – PELO DE CAMUNDONGO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pelo de Camundongo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E72) – EPITÉLIOS – URINA DE CAMUNDONGO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas à urina de Camundongo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E73) – EPITÉLIOS – RATO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Epitélio de Rato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E74) – EPITÉLIOS – URINA DE RATO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Urina de Rato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E75) – EPITÉLIOS – PROTEÍNAS SORO RATO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas às Proteínas do Soro do Rato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E76) – EPITÉLIOS – SORO DE RATO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Soro de Rato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E77) – EPITÉLIOS – EXCREMENTO DE PERIQUITO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Excremento de Periquito.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E78) – EPITÉLIOS – PENAS DE PERIQUITO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas às Penas de Periquito.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E79) – EPITÉLIOS – SORO PIRIQUITO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Epitélio de Piriquito.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E80) – EPITÉLIOS – PELO DE CABRA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pelo de Cabra.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E81) – EPITÉLIOS – PELO DE CARNEIRO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pelo de Carneiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E82) – EPITÉLIOS – PELO DE COELHO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pelo de Coelho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E83) – EPITÉLIOS – PELO DE PORCO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pelo de Porco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E84) – EPITÉLIOS – PELO DE HAMSTER

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pelo de Hamster.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E85) – EPITÉLIOS – PENA DE GALINHA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Pena de Galinha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E86) – EPITÉLIOS – PENA DE PATO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Pena de Pato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E87) – EPITÉLIOS - RATAZANA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Ratazana.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E88) – EPITÉLIOS – CAMUNDONGO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Epitélio do Camundongo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E89) – EPITÉLIOS – PENA DE PERU

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Pena de Peru.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E201) – EPITÉLIOS – PENA DE CANÁRIO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pena de Canário.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E204) – EPITÉLIOS - ALBUMINA SORO BOVINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Albumina Soro Bovina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E213) – EPITÉLIOS – PENAS DE PAPAGAIO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas às Penas de Papagaio.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (E222) – EPITÉLIOS - ALBUMINA PORCO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Albumina Porco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (EX1) - EPITÉLIOS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (EX2) – EPITÉLIOS

Sinônimo: Caspa de gato, cão, pelo de cobaia, ratazana, rato

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a caspa de gato, cão, pelo de cobaia, ratazana, rato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (EX70) – ANIMAIS

Sinônimo: Pêlo de cobaia, coelho e hamster, rato e camundongo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a pêlo de cobaia, coelho e hamster, rato e camundongo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (EX71) – ANIMAIS

Sinônimo: Penas de ganso, galinha, pato, peru

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a penas de ganso, galinha, pato, peru.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (EX72) – ANIMAIS 72

Sinônimo: Penas de Budgericar, papagaio e canário

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a penas de Budgericar, papagaio e canário.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F1) – ALIMENTOS – CLARA DE OVO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Clara de ovo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F2) – ALIMENTOS – LEITE

Sinônimo: Leite de Vaca (Bos spp.)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Leite.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F3) – ALIMENTOS – PEIXE BACALHAU

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Peixe Bacalhau.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F4) – ALIMENTOS – TRIGO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Trigo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F5) – ALIMENTOS - CENTEIO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Centeio.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F6) – ALIMENTOS – CEVADA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Cevada.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F7) – ALIMENTOS – AVEIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Aveia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F8) – ALIMENTOS – MILHO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Milho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F9) – ALIMENTOS – ARROZ

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Arroz.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F10) – ALIMENTOS – GERGELIM

Sinônimo: Semente de Sésamo

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Gergelim.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F11) – ALIMENTOS – TRIGO SARRACENO

Sinônimo: Trigo Mourisco, Trigo Negro

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Trigo Sarraceno.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F12) – ALIMENTOS – ERVILHA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Ervilha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F13) – ALIMENTOS – AMENDOIM

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Amendoim.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F14) – ALIMENTOS – GRÃO DE SOJA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Grão Soja.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F15) – ALIMENTOS – FEIJÃO BRANCO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Feijão branco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F17) – ALIMENTOS – AVELÃ

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Avelã.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F18) – ALIMENTOS – CASTANHA DO PARÁ

Sinônimo: Noz do Brasil

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Castanha do Pará.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F20) – ALIMENTOS – AMÊNDOA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Amêndoa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F21) – ALIMENTOS – MARACUJÁ

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Maracujá.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F23) – ALIMENTOS – CARANGUEJO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Caranguejo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F24) – ALIMENTOS – CAMARÃO

Sinônimo: Pandalus borealis

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Camarão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F25) – ALIMENTOS – TOMATE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Tomate.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F26) – ALIMENTOS – CARNE DE PORCO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carne de Porco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F27) – ALIMENTOS – CARNE BOVINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carne Bovina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F31) – ALIMENTOS – CENOURA

Sinônimo: Daucus carota

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Cenoura.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F33) – ALIMENTOS – LARANJA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Laranja.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F34) – ALIMENTOS – TANGERINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Tangerina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F35) – ALIMENTOS – BATATA

Sinônimo: Solanum tuberosum

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Batata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F36) – ALIMENTOS – COCO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Coco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F37) – ALIMENTOS – MEXILHÃO AZUL

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Mexilhão azul.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F40) – ALIMENTOS – ATUM

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Atum.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F41) – ALIMENTOS – SALMÃO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Salmão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F44) – ALIMENTOS - MORANGO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Morango.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F45) – ALIMENTOS – LEVEDURA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas Levedura.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F47) – ALIMENTOS - ALHO

Sinônimo: Allium sativum

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Alho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F48) – ALIMENTOS - CEBOLA

Sinônimo: Allium cepa

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Cebola.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F49) – ALIMENTOS - MAÇÃ

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Maçã.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F50) - CAVALA

Sinônimo: Scomber japonicu

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Cavala.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F51) – ALIMENTOS – BROTO DE BAMBU

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Broto de Bambu.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F54) – ALIMENTOS – BATATA DOCE

Sinônimo: Ipomea batatas

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Batata Doce.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F55) – ALIMENTOS – MILHO MIÚDO

Sinônimo: Painço

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Milho Miúdo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F56) - ALIMENTOS – MILHO MOÍDO RABO DE RAPOSA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao milho moído rabo de raposa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F58) – ALIMENTOS – LULA DO PACÍFICO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Lula do Pacífico.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F59) – ALIMENTOS – POLVO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Polvo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F60) – ALIMENTOS - CARAPAU

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Para todas as idades jejum mínimo necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Carapau.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F61) – ALIMENTOS – SARDINHA JAPONESA

Sinônimo: Sardinops melanosticta

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Sardinha Japonesa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F75) – ALIMENTOS – GEMA DE OVO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gema de Ovo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F76) – ALIMENTOS – A LACTOALBUMINA

Sinônimo: Alfa-lactoalbumina

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Alfa-lactoalbumina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F77) – ALIMENTOS – B-LACTOGLOBULINA

Sinônimo: Beta-lactoglobulina

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Beta-lactoglobulina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F78) – ALIMENTOS – CASEÍNA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Caseína.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F79) – ALIMENTOS – GLÚTEN

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Glúten.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F80) – ALIMENTOS – LAGOSTA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Lagosta.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F81) – ALIMENTOS – QUEIJO CHEDDAR

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Queijo Cheddar.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F83) – ALIMENTOS – CARNE GALINHA

Sinônimo: Carne Galinha

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carne de Galinha

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F84) – ALIMENTOS – KIWI

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Kiwi.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F85) – AIPO

Sinônimo: Apium graveolens

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Aipo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F86) – ALIMENTOS – SALSA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Salsa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F87) – ALIMENTOS – MELÃO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Melão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F88) – ALIMENTOS – CARNE CARNEIRO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carne de Carneiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F89) – ALIMENTOS – MOSTARDA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Mostarda.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F90) – MALTE

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Malte.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F91) – ALIMENTOS – MANGA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Manga.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F92) – ALIMENTOS – BANANA

Sinônimo: Musa spp.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Banana.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F93) – ALIMENTOS – CACAU

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Cacau.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F94) – ALIMENTOS – PÊRA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Pêra.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F95) – ALIMENTOS – PÊSSEGO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pêssego.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F96) – ALIMENTOS – ABACATE

Sinônimo: Persea americana

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Abacate.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F105) – ALIMENTOS – CHOCOLATE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Chocolate.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F201) – ALIMENTOS – NOZ PECÃ

Sinônimo: Carya illinoensis

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Noz Pecã.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F202) – ALIMENTOS – CASTANHA DE CAJÚ

Sinônimo: Anacardium occidentale

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Castanha de Cajú.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F203) – ALIMENTOS – PISTACHE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pistache.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F204) – ALIMENTOS – TRUTA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Truta.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F205) – ARENQUE

Sinônimo: Clupea Harengus

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Arenque.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F207) – ALIMENTOS – MARISCO

Sinônimo: Mexilhão

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Marisco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F208) – ALIMENTOS – LIMÃO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Limão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F210) – ALIMENTOS – ABACAXI

Sinônimo: Ananas comosus

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Abacaxi.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F212) – ALIMENTOS - CHAMPIGNON

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao alimento Champignon.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F213) – ALIMENTOS – CARNE DE COELHO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carne de Coelho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F214) – ALIMENTOS – ESPINAFRE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Espinafre.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F215) – ALIMENTOS – ALFACE

Sinônimo: Lactuca sativa

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Alface.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F216) – ALIMENTOS – REPOLHO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Repolho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F218) – ALIMENTOS – PÁPRICA

Sinônimo: Pimentão Doce

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Páprica.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F220) – ALIMENTOS – CANELA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Canela.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F225) – ALIMENTOS – ABÓBORA

Sinônimo: Cucurbita pepo

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Abóbora.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F231) – ALIMENTOS – LEITE FERVIDO

Sinônimo: Bos spp.

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao leite fervido.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F232) – ALIMENTOS – OVO ALBUMINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a albumina do ovo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F233) – ALIMENTOS – OVO MUCÓIDE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ovo Mucóide.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F234) – ALIMENTOS – BAUNILHA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Baunilha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F235) – ALIMENTOS – LENTILHA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Lentilha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F237) – ALIMENTOS – DAMASCO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Damasco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F242) – ALIMENTOS – CEREJA

Sinônimo: Prunus avium

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Cereja.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F244) – ALIMENTOS – PEPINO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pepino.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F245) – ALIMENTOS – OVO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ovo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F247) – ALIMENTOS – MEL

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Mel.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F254) – ALIMENTOS – LINGUADO

Sinônimo: Solha

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Linguado.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F255) – ALIMENTOS – AMEIXA

Sinônimo: Prunus domestica

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Ameixa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F256) – ALIMENTOS – NOZ

Sinônimo: Nozes, Juglans spp.

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Noz.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F258) – ALIMENTOS – LULA

Sinônimo: Calamar

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Lula.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F259) – ALIMENTOS – UVA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Uva.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F260) – ALIMENTOS – BRÓCOLIS

Sinônimo: Brassica oleracea var. Italica

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Brócolis.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F262) - BERINJELA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a berinjela.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F263) – ALIMENTOS – PIMENTA DO REINO VERDE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Pimenta do Reino.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F271) – ANIS

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Anis.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F279) - PIMENTA DO CHILE

Sinônimo: Capsicum frutescens

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Pimenta do Chile.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F280) – ALIMENTOS – PIMENTA PRETA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Pimenta Preta.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F281) – ALIMENTOS - CURRY

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Curry.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F284) – ALIMENTOS – CARNE DE PERU

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carne de Peru.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F290) – ALIMENTOS – OSTRA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Ostra.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F293) – ALIMENTOS – PAPAIA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Papaia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F297) - GOMA ARÁBICA

Sinônimo: Acácia Senegal

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a goma arábica.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F299) – ALIMENTOS – CASTANHA PORTUGUESA

Sinônimo: Castanea sativa

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Castanha Portuguesa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F300) – ALIMENTOS – LEITE DE CABRA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao leite de Cabra.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F308) – ALIMENTOS – SARDINHA

Sinônimo: Sardina pilchardus

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Sardinha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F319) – ALIMENTOS – BETERRABA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Beterraba.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F323) – ALIMENTOS - NGAL D 3 CONALBUMINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Conalbumina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F324) – ALIMENTOS - LÚPULO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Lúpulo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F329) – ALIMENTOS – MELANCIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Melancia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F331) – ALIMENTOS - AÇAFRÃO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Açafrão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F333) – ALIMENTOS - LINHAÇA LINUM USITATISSIMUM

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Linhaça Linun Usitatissimum.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F340) – ALIMENTOS – ADITIVOS – VERMELHO DE CARMIM

Sinônimo: Vermelho carmim; corante, extrato de cochonilha.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Aditivo Vermelho de Carmim.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F351) – ALIMENTOS – TROPOMIOSINA CAMARÃO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Troponina Camarão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F414) – ALIMENTOS - PEIXE TILÁPIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Peixe Tilápia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F416) – ALIMENTOS – 19 ÔMEGA 5 GLIADINA

Sinônimo: Trigo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao 19 ômega 5 gliadina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F419) - rPru p 1 (PR-10 PÊSSEGO)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao pêssego.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F420) - rPRU p3 (PT RECOMBINANTE PÊSSEGO)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao pêssego.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F421) – rPru p 4 (Profilin pessego)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao rPru p 4 (Profilin pessego).

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F422) - RARA H 1, AMENDOIM

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a rAra h 1, Amendoim.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F423) - RARA H 2, AMENDOIM

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a rAra h 2, Amendoim.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F424) - RARA H 3, AMENDOIM

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a rAra h 3, Amendoim.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F426) - RGAD C 1 (PARVALBÚMINA)

Sinônimo: Gadus morhua

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a rGad c 1 (Parvalbúmina).

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F431) - NGLY M5 BETACONGLICINA

Sinônimo: Betaconglicina Soja

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Betaconglicina Soja.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F432) - Gly m6 Glycinin Legumin

Sinônimo: Legumin-like protein

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gly m6 Glycinin Legumin.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (F353) - RGLY M4 REC. GLYCINE MAX

Sinônimo: Legumin-like protein

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Legumin-like protein.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX1) – ALIMENTOS

Sinônimo: Amendoim, avelã, amêndoa, coco, castanha do Pará

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a amendoim, avelã, amêndoa, coco, castanha do Pará.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX2) – ALIMENTOS

Sinônimo: Bacalhau, camarão, atum, mexilhão azul e salmão

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao bacalhau, camarão, atum, mexilhão azul e salmão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX3) – ALIMENTOS

Sinônimo: Trigo, aveia, milho, gergelim e trigo-sarraceno

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao trigo, aveia, milho, gergelim e trigo-sarraceno.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX7) – ALIMENTOS

Sinônimo: Tomate, levedura, alho, cebola e aipo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a tomate, levedura, alho, cebola e aipo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX8) – ALIMENTOS

Sinônimo: Avelã, Noz do Brasil, laranja, maça e cacau

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a avelã, Noz do Brasil, laranja, maça e cacau.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX9) – ALIMENTOS

Sinônimo: Amêndoa, kiwi, melão, banana e uva

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a amêndoa, kiwi, melão, banana e uva.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX10) – ALIMENTOS

Sinônimo: Carne de porco, vaca, galinha, peru e gema de ovo.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a carne de porco, vaca, galinha, peru e gema de ovo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX13) – ALIMENTOS

Sinônimo: Ervilha, feijão branco, cenoura e batata

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a ervilha, feijão branco, cenoura e batata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX15) – ALIMENTOS

Sinônimo: Laranja, maçã, banana e pêssego

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a laranja, maçã, banana e pêssego.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX16) – ALIMENTOS

Sinônimo: Morango, pera, limão e ananás

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a morango, pera, limão e ananás.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX18) – ALIMENTOS

Sinônimo: Ervilha, amendoim, grão de soja

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a ervilha, amendoim, grão de soja.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX20) – ALIMENTOS

Sinônimo: Trigo, centeio, cevada e arroz

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao trigo, centeio, cevada e arroz.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX71) – ALIMENTOS

Sinônimo: Alcaravia, noz moscada, cardamomo e cravinho

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a alcaravia, noz moscada, cardamomo e cravinho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX73) – ALIMENTOS

Sinônimo: Carne de porco, boi, frango e cordeiro

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Carne de porco, boi, frango e cordeiro.ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX74) – ALIMENTOS

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX74) – ALIMENTOS

Sinônimo: Peixe (bacalhau), cavala/sarda, arenque e solha

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a peixe (bacalhau), cavala/sarda, arenque e solha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (FX5E) – ALIMENTOS

Sinônimo: Clara de ovo, leite, bacalhau, trigo, amendoim e soja

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a clara de ovo, leite, bacalhau, trigo, amendoim e soja.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G1) – GRAMÍNEAS – FENO DE CHEIRO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Feno de Cheiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G2) – GRAMÍNEAS – GRAMA

Sinônimo: Grama bermudas; Cynodon dactylon

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Grama.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G3) – GRAMÍNEAS – PANASCO

Sinônimo: Dactylis glomerata

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Panasco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G4) – GRAMÍNEAS – SARGASSO BRAVO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Saragasso Bravo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G5) – GRAMÍNEAS – AZÉVEM

Sinônimo: Lolium perene

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Azévem.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G6) – GRAMÍNEAS – RABO DE GATO

Sinônimo: Grama tipo timóteo; Phleum pratense

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Rabo de Gato.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G7) – GRAMÍNEAS - CANIÇO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gramínea Caniço.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G8) – GRAMÍNEAS ERVA DE FEBRA

Sinônimo: Grama de Juno/Junho; Poa pratensis

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Erva de Febra.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G9) – GRAMÍNEAS – ERVA FINA

Material: Samgue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gramínea Erva Fina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G10) – GRAMÍNEAS SORGHUM HALEPENSE

Sinônimo: Grama tipo Johnnson, zaburro de alepo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Sorghum Halepense.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G11) – GRAMÍNEAS - BROMUS INERMIS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gramínea Bromus Inermis.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G12) – GRAMÍNEAS – CENTEIO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Centeio.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G13) – GRAMÍNEAS – ERVA LANAR

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Erva Lanar.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G14) – GRAMÍNEAS – AVEIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Aveia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G15) – GRAMÍNEAS – TRIGO

Sinônimo: Trigo mole, túrgido, duro e gigantil

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Trigo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G16) – GRAMÍNEAS – RABO DE RAPOSA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gramínea Rabo de Raposa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G17) – GRAMÍNEAS – PASPALUM NOTATUM

Sinônimo: Grama tipo Bahia; Paspalum notatum

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Paspalum notatum.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G70) – GRAMÍNEAS – CANIÇO MOLHADO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gramínea Caniço Molhado.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G71) – GRAMÍNEAS - PHALARIS ARUNDINACEA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Gramínea Phalaris Arundinacea.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (G202) – GRAMÍNEAS – MILHO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Milho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (GX2) – GRAMÍNEAS

Sinônimo: Bermudas, centeio perene, timóteo, junto e jonhson

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a bermudas, centeio perene, timóteo, junto e jonhson.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (GX3) – GRAMÍNEAS

Sinônimo: Glyceria, centeio perene, timóteo, centeio, veludo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a glyceria, centeio perene, timóteo, centeio, veludo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (GX4) – GRAMÍNEAS

Sinônimo: Glyceria, centeio perene, junco, centeio e veludo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a glyceria, centeio perene, timóteo, centeio, veludo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (H1) – PÓ DE CASA - GREER LABS

Sinônimo: Greer labs., inc

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pó de Casa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (H2) – PÓ DE CASA - HOLLISTER-STIER

Sinônimo: Hollister-Stier labs.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pó de Casa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (HP1) – POEIRA 1

Sinônimo: Pó caseiro, D. pteronyssinus, ácaro e barata

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a pó caseiro, D. pteronyssinus, ácaro e barata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (HX2) – PÓ DE CASA

Sinônimo: Pó caseiro, D. pteronyssinus, ácaro e barata

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a pó caseiro, D. pteronyssinus, ácaro e barata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I1) – INSETOS - ABELHA

Sinônimo: Apis Mellifera

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Abelha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I2) – INSETOS - VESPA CABEÇA BRANCA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Vespa Cabeça Branca.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I3) – INSETOS - VESPA

Sinônimo: Vespula spp, vespa Capa Amarela

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Vespa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I4) – INSETOS - MARIMBONDO/VESPA

Sinônimo: Vespa do papel, vespa comum, Polistes spp

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Marimbondo/Vespa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I6) – INSETOS - BARATA

Sinônimo: Blatella Germanica

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Barata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I8) – INSETOS – TRAÇA

Sinônimo: Bicho da seda

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Traça.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I70) – INSETOS – FORMIGA LAVA PÉ

Sinônimo: Formiga de Fogo, Lava Pé, formiga vermelha

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Formiga Lava Pé.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I71) – INSETOS – PERNILONGO

Sinônimo: Mosquito comum

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pernilongo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I72) – INSETOS – C. LEWISI

Sinônimo: Cladotanytarsus lewisi - Mosca do Sudão

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao C. lewisi.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I73) – INSETOS – LARVA DE SANGUE

Sinônimo: Chironomus thummi

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Larva de Sangue.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I75) – INSETOS – VESPA EUROPÉIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Vespa Européia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I76) – INSETOS – T. ANGUSTUM

Sinônimo: Trogoderma angustum (solier) – Escaravelho

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao T. aungustum.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I204) – INSETOS – MOSCA DE CAVALO

Sinônimo: Tabanus spp.; Mutuca

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

, Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Mosca de Cavalo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I206) - PERIPLANETA AMERICANA (BARATA)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Periplaneta americana (Barata).

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (I207) - BLATTA ORIENTALIS

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a BLATTA ORIENTALIS (Barata Oriental).

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (IP6) – INALANTES 6

Sinônimo: Grama timoteo, cladosporium herbarum, alternaria

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a grama timoteo, cladosporium herbarum, alternaria.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K20) – OCUPACIONAIS - LÃ

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Lã.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K70) – OCUPACIONAIS – GRÃO DE CAFÉ

Sinônimo: Grão de café verde

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Grão de Café.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K73) – OCUPACIONAIS – S. BRAVA

Sinônimo: Seda brava

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Seda Brava.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K74) - OCUPACIONAIS – SEDA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Seda.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K75) – OCUPACIONAIS – ISOCIANATO TDI

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Isocianato TDI.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K76) – OCUPACIONAIS – ISOCIANATO MDI

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Isocianato MDI.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K78) – OCUPACIONAIS – Ó. DE ETILENO

Sinônimo: Óxido de etileno

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Òxido de Etileno.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K79) - OCUPACIONAIS – ANIDRIDO FETÁLICO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Anidrido Fetálico.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K80) – OCUPACIONAIS – FORMALDEÍDO/FORMALINA

Sinônimo: Formaldeído

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Formaldeído/Formalina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K81) - OCUPACIONAIS – FICUS SP.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ficus sp.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K82) – OCUPACIONAIS – LÁTEX

Sinônimo: Borracha, Latex

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Látex.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K83) – OCUPACIONAIS – ALGODÃO SEM

Sinônimo: Algodão semente

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Algodão sem.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K84) – OCUPACIONAIS – GIRASSOL

Sinônimo: Grão de girassol

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Girassol.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K85) – OCUPACIONAIS – CHLORAMINA

Sinônimo: Chloramina T

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Chloramina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K86) – OCUPACIONAIS – AN. TRIMETI

Sinônimo: Anidrido trimetilico

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Anidrido trimetilico.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K87) – OCUPACIONAIS – ALFA-AMILASE

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Alfa-amilase.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K202) - BROMELINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Bromelina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (K208) - NGAL D 4 LISOZIMA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Lisozima.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M1) – FUNGOS - P. NOTATUM

Sinônimo: Penicillium notatum, fungo do ar

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Penicillium notatum.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M2) – FUNGOS – C. HERBARUM

Sinônimo: Cladosporium herbarum, fungo do ar

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao C. herbarum.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M3) – FUNGOS – A. FUMIGATUS

Sinônimo: Aspergilus fumigatus

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao A. fumigatus.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M4) – FUNGOS – M. RACEMOSUS

Sinônimo: Mucor racemosus

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao M. racemosus.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M5) – FUNGOS – CANDIDA ALBICANS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Candida albicans.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M6) – FUNGOS – A. ALTERNATA

Sinônimo: Alternaria alternata / tenuis, fungo do ar

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao A. alternata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M7) – FUNGOS – BOTRYTIS CINEREA

Sinônimo: Botrytis cinerea

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Botrytis cinerea.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M8) – FUNGOS – H. HALODES

Sinônimo: Helminthosporium halodes

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao H. halodes.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M9) – FUNGOS – F. MONILIFORME

,

Sinônimo: Fusarium moniliforme

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao F. moniliforme.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M10) – FUNGOS – S. BOTRYOSUM

Sinônimo: Stemphylium botryosum

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Stemphylium botryosum.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M11) – FUNGOS – R. NIGRICANS

Sinônimo: Rhizopus nigricans

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Rhizopus nigricans.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M12) – FUNGOS – A. PUPLLULANS

Sinônimo: Aureobasidium pullulans

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao A. pupllulans.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M13) – FUNGOS – PHOMA BETAE

Sinônimo: Phoma betae

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Phoma betae.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M14) – FUNGOS – E. PURUPURANSCENS

Sinônimo: Epicoccum purpuranscens

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao E. purpuranscens.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M15) - FUNGOS – TRICHODERMA VIRIDE

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao fungo Trichoderma viride.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M16) - FUNGOS – CURVULARIA IUNATA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao fungo Curvularia Iunata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M70) – FUNGOS – P. ORBICULARE

Sinônimo: Pityrosporium orbiculare

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao P. orbiculare.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M80) - ENTEROXINA A

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Enteroxina A.

NTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M202) – FUNGOS – C. ACREMONIUM

Sinônimo: Cephalosporium acremonium

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao C. acremonium.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (M207) – FUNGOS – ASPERGILLUS NIGER

Sinônimo: Aspergilus niger, fungo do ar

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Aspergillus niger.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (MX1) – FUNGOS E LEVEDURAS

Sinônimo: P.notatum, c.herbarum, a.fumigatus, a. tenuis; mofo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a fungos e leveduras.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (MX2) – FUNGOS E LEVEDURAS

Sinônimo: P.notatum, c.herbarum, c.albicans, a. tenuis; mofo

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a fungos e leveduras.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (O1) - FLUIDO SEMINAL

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Fluido Seminal.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (O1) – MISCELÂNEA - ALGODÃO

Sinônimo: Algodão (fibras cruas)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Algodão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (O201) - FOLHA DE TABACO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a folha do tabaco.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (P1) – PARASITAS - ASCARIS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Ascaris.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (P2) - PARASITAS– ECHINOCOCCUS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Parasita Echinococcus.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (PAX1) - OCUPACIONAIS

PAX1:


  • E3 Caspa de Cavalo
  • E4 Caspa de Vaca
  • E8 Pena de Ganso
  • E85 Pena de Galinha

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Caspa de Cavalo, Caspa de Vaca, Pena de Ganso e Pena de Galinha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (PAX6) – OCUPACIONAIS

Sinônimo: Òxido de etileno, anidrido fetálico, formaldeído.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a óxido de etileno, anidrido fetálico, formaldeído.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (RF326) - SORO DE LEITE DE OVELHA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Soro de Leite de Ovelha.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (RF352) - RARA H 8 PR-10, AMEND.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a RARA H 8 PR-10, AMEND.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (RF355) - PARVALBUMINA PEIXE(rCyp c1)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Parvalbumina Peixe.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T1) – ÁRVORES - BÔRDO

Sinônimo: Padeiro, Plátano bastardo, zêlha

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Bôrdo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T3) – PÓLENS DE ÁRVORES - BÉTULA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pólen de árvore – bétula.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T4) – ÁRVORES - AVELEIRA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Aveleira.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T5) - ÁRVORES – FAIA EUROPEIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Faia Europeia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T6) - ÁRVORES – OXECEDRO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Oxecedro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T7) - ÁRVORES – CARVALHO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Carvalho.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T8) - ÁRVORES – ULMEIRO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Ulmeiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T9) - ÁRVORES – OLIVEIRA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Oliveira.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T10) - ÁRVORES – NOGUEIRA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Árvore Nogueira.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T11) – ÁRVORES - PLATÁNO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Platáno.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T12) - ÁRVORE–SALGUEIRO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas árvore Salgueiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T14) - ÁRVORE– CHOUPO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Choupo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T15) - ÁRVORE– FREIXO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: : Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Freixo.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T16) – ÁRVORES - PINHEIRO

Sinônimo: Pinheiro manso, silvestre, bravo e francês

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pinheiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T17) - ÁRVORES – CEDRO JAPONÊS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Cedro Japonês.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T18) – ÁRVORES - EUCALIPTO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Eucalipto.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T19) – ÁRVORES - ACÁCIA

Sinônimo: Mimosa

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Acácia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T20) - ÁRVORES – PROSOPIS JULIFORA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Prosopis Julifora.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T21) - ÁRVORES – MELALEUCA LEUCADENDRON

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Melaleuca Leucadendron.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T22) - ÁRVORES – CARYA PECAN

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Carya Pecan.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T23) – ÁRVORES - CIPESTRE

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Cipestre.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T70) - ÁRVORES – AMOREIRA BRANCA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Amoreira Branca.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T72) - ÁRVORES – BABA DE BOI

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Baba de Boi.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T73) - ÁRVORES – CASUARINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Casuarina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T208) - ÁRVORES – TILIA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum necessário de 4 horas.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Tilia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T210) – ÁRVORES - ALFENA

Sinônimo: Ligustro, Ligustrum Vulgare

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pinheiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (T217) - ÁRVORES – PIMENTERO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a árvore Pimentero.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX1) – ÁRVORES

Sinônimo: Acerácea, vidoeiro, carvalho, olmeiro e nogueira.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a acerácea, vidoeiro, carvalho, olmeiro e nogueira.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX2) – ÁRVORES

Sinônimo: TP2 (acerácea, carvalho, olmeiro, algodoeiro, nozpecã)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a acerácea, carvalho, olmeiro, algodoeiro, nozpecã.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX3) – ÁRVORES

Sinônimo: Cedro, sobreiro, ulmeiro, choupo, faia, prosopis

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a cedro, sobreiro, ulmeiro, choupo, faia, prosopis.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX4) – ÁRVORES

Sinônimo: TP4 (carvalho, olmeiro, sicomoro, salgueiro)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a TP4 (carvalho, olmeiro, sicomoro, salgueiro).

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX5) – ÁRVORES

Sinônimo: Amieiro, aveleira, olmeiro, salgueiro, algodoeiro.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a amieiro, aveleira, olmeiro, salgueiro, algodoeiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX6) - ÁRVORES

TX6: Plátano bastardo, Vidoeiro, Faia Européia, etc.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas as árvores do grupo TX6.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX7) – ÁRVORES

Sinônimo: Oliveira, salgueiro, P. Branco, eucalipto, acácia

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a oliveira, salgueiro, P. Branco, eucalipto, acácia.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX8) – ÁRVORES

Sinônimo: Plátano bastardo, vidoeiro, aveleira, sobreiro

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a plátano bastardo, vidoeiro, aveleira, sobreiro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (TX9) - ÁRVORES

TX9: Amierio, vidoeiro, aveleira, sobreiro, salgueiro.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas as árvores do grupo TX9.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W1) – E. DANINHAS – A. ELATIOR

Sinônimo: Ambrosia elatior

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a A. elatior.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W2) - E. DANINHA – AMBROSIA PSILOSTACHYA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Ambrosia psilostachya.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W3) - E. DANINHA – AMBROSIA TRIFIDA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Ambrosia trifida.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W4) - E. DANINHA – FRANSERIA ACANTHICARPA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Franseria acanthicarpa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W5) – E. DANINHAS – LASNA, SINTRO

Sinônimo: Lasna, sintro e absinto

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a lasna, sintro.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W6) - E. DANINHA – ARTEMÍSIA VERDADEIRA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Artemisia verdadeira.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W7) – E. DANINHAS – MARGARIDA

Sinônimo: Margarida

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a margarida.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W8) - E. DANINHA – DENTE DE LEÃO

Sinônimo: Taraxago

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Dente de Leão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W9) - E. DANINHA – CORRIJÓ

Sinônimo: Tanchagem, língua de ovelha.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Corrijó.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W10) – E. DANINHAS – PÉ DE GANSO

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Pé de ganso.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W11) - E. DANINHA – ESPINHOSA

Sinônimos: Soda, Barrilha.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Erva daninha Espinhosa.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W12) - E. DANINHA – VIRGAUERA

Sinônimos: Vara de Ouro

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Virgauera.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W13) - E. DANINHA – XANTHIUM COMMUNE

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Xanthium commune.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W13) - E. DANINHA – CHORÔES DE JARDIM

Sinônimo: Moncus peru

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Chorôes de jardim.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W15) - E. DANINHA – SANGADEIRA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Salgadeira.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W16) - E. DANINHA – IVA CILIATA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Iva ciliata.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W17) - E. DANINHA – VARVERDE

Sinônimo: Belverde

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Varverde.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W18) - E. DANINHA – AZEDINHAS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Azedinhas.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W19) - E. DANINHA – PARIETARIA

Sinônimo: Alfavaca de cobra

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Parietaria.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W20) - E. DANINHA – URTIGÃO

Sinônimo: Urtiga maior

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Urtigão.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (W21) - E. DANINHA – PARIETARIA JUDAICA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a erva daninha Parietaria judaica.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (WXE) – ERVAS DANINHAS

Sinônimo: A. psilostachya, a. verdadeira, salgadeira, etc

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a ervas daninhas.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (WX1) - ERVAS DANINHAS

WX1: A. eliator, A. verdadeira, Corrijó, Pé de ganso.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas as ervas daninhas do grupo WX1.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (WX2) – ERVAS DANINHAS

Sinônimo: A. psilostachya, a. verdadeira, salgadeira, etc

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a ervas daninhas.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (WX3) - ERVAS DANINHAS

WX3: A. eliator, A. verdadeira, Corrijó, Pé de ganso.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas as ervas daninhas do grupo WX3.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (WX5) – ERVAS DANINHAS

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a ervas daninhas.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (WX6) - ERVAS DANINHAS

WX6: Corrijó, pé de ganso, soda, azedinhas.

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas as ervas daninhas do grupo WX6.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO (WX7) – ERVAS DANINHAS

Sinônimo: Margarida, taraxago, vara de ouro, pé de ganso

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a ervas daninhas.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO ALIMENTOS-QUEIJO (TIPO CAMB, BRIE, ROQF, GORG)

Sinônimo: Queijo(tipo Camb, Brie, Roqf, Gorg)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a queijos tipo Camb, Brie, Roqf, Gorg.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO - AZEITONA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas azeitona.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO - AZITROMICINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a azitormicina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO - CEFACLOR

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Cefaclor.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO - CLARITROMICINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Claritromicina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO - INDOMETACINA

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas a Indometacina.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO - ISAC

Sinônimo: Immuno Solid Phase Allergen Chip; Rast Isac Soro

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O ISAC é um teste in vitro destinado à determinação semi-quantitativa de anticorpos IgE específicos no soro humano. Trata-se de um teste imunológico em que 103 componentes moleculares recombinantes ou altamente purificados, originários de 50 alérgenos diferentes, são imobilizados num substrato sólido em formato microarray, permitindo a medição simultânea de anticorpos IgE específicos contra vários componentes alergênicos numa única amostra. Devido à utilização dos principais alérgenos de importância clínica em sua composição, incluindo os principais marcadores de reatividade cruzada, o ISAC é uma ferramenta útil, especialmente para casos mais complexos, tais como os de anamnese incoerente, resposta insatisfatória ao tratamento ou doentes polissensibilizados.

ANTICORPOS IgE ESPECÍFICO RK218 - RHEV B 5

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas ao Rk218 - rHev b 5.

ANTICORPOS IgE RAST PHADIATOP - INFANTIL

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas aos principais alérgenos inalantes e alimentares.

ANTICORPOS IgE RAST PHADIATOP – PHADIATOP

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas.

ANTICORPOS IgG ANTI ANTIGENO NUCLEAR DE EPSTEIN BARR (EBNA)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O Epstein-Barr vírus (EBV), é um membro do grupo herpesvirus e o agente etiológico da Mononucleose Infecciosa. Estas infecções podem ser reconhecidas através de testes de identificação de anticorpos no soro dos pacientes, que usualmente aparecem nas primeiras três semanas após a infecção, porém, em sua maioria declinam rapidamente. A identificação de anticorpos IgG anti-EBNA é importante na identificação da fase em que o paciente se encontra em relação a infecção pelo EBV. O anticorpo IgG anti-EBNA aparece na circulação várias semanas ou até vários meses após o início da doença e persiste durante anos, ou mesmo por toda a vida.

ANTICORPOS IgG ANTI ENTAMOEBA HISTOLYTICA (AMEBIASE)

Sinônimo: Anti ameba

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Método utilizado para o diagnóstico de amebíase invasiva.

ANTICORPOS IgM ANTI ENTAMOEBA HISTOLYTICA (AMEBIASE)

Sinônimo: Anti ameba

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Método utilizado para o diagnóstico de amebíase invasiva.

ANTÍGENO CA 27.29 (MARCADOR TUMORAL)

Sinônimo: Antígeno de Câncer 27.29; Marcador de câncer 27.29

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de câncer de mama recorrente e acompanhamento do tratamento de pacientes com câncer de mama avançado. Sua maior vantagem é a detecção precoce de recorrências. A determinação dos níveis de CA 27-29 pode ser usada, junto com a mamografia e pesquisa de outros marcadores tumorais, no acompanhamento da recorrência do câncer em mulheres previamente tratadas para câncer de mama estádios II e III. Os níveis de CA 27-29 também se elevam em casos de câncer de cólon, estômago, rim, pulmão, ovário, pâncreas, útero e fígado. Também podem ser encontrados níveis elevados no primeiro trimestre da gravidez, na endometriose, cistos ovarianos, doença benigna da mama, doenças renal e hepática não cancerosas.

ANTÍGENO DE STREPTOCOCCUS PNEUMONIAE

Material: Urina

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Visa o diagnóstico da infecção pneumocócica, mas não substitui a hemocultura nem a cultura do escarro. Exame qualitativo de detecção rápida que se torna positivo na urina aproximadamente após 4 dias do início dos sintomas e pode se manter positivo durante semanas ou meses. O resultado positivo sugere provável pneumonia ou outro processo infeccioso por Streptococcus pneumoniae. Se negativo não se pode descartar definitivamente infecções por S. pneumoniae porque o antígeno pode se encontrar abaixo do limite de detecção ou o exame ter sido realizado precocemente. Tem alta taxa de falso-positivo em crianças devido à colonização nasofaringea e infecções frequentes por S pneumoniae.

ANTÍGENO DO CARCINOMA DE CELULAS ESCAMOSAS (SCC)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Conforme o tipo de tumor tem valor na detecção precoce, estadiamento e avaliação de prognóstico e recidiva em pacientes com tumor de células escamosas submetidas a tratamento. Resultados falso-positivos podem ocorrer na insuficiência renal, psoríase, pênfigo, eczemas e tuberculose.

ANTÍGENO HE-4 (MARCADOR TUMORAL DE OVARIO)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: um antígeno utilizado como marcador de câncer de ovário utilizado especialmente nos estágios iniciais da doença, quando já pode se mostrar alterado, independente dos níveis de CA 125.

ANTÍGENO INIBIDOR DO PLASMINOGÊNIO (PAI-1)

Material: Sangue

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: O plasminogen activator inhibitor (PAI-I) atua neutralizando a ação do ativador tecidual do plasminogenio (TPA) e inibindo a clivagem de plasminogênio em plasmina de modo a impedir a dissolução do coágulo. Interpretação clínica: Em indivíduos normais é baixo, elevando-se em condições patológicas como tromboembolismo venoso, obesidade, doença arterial coronariana e sepse.

ANTÍGENO LEGIONELLA PNEUMOPHILA

Material: Urina

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.



ANTÍGENO TUMORAL DA BEXIGA (BLADDER TUMOR ANTIGEN-BTA)

Material: Urina

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Auxiliar no diagnóstico de tumor vesical. Interpretação clínica: Resultado positivo sugere malignidade, a maioria de células transicionais. Sugere-se que a dosagem seriada possa ser útil na avaliação precoce de recorrência e monitoração de tumores de células transicionais após o tratamento.

ANTI - ENDOMISIO - ANTICORPOS (IgA)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de doença celíaca.

ANTI - ENDOMISIO - ANTICORPOS (IgG)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de doença celíaca.

ANTI - ENDOMISIO - ANTICORPOS (IgM)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de doença celíaca.

ANTI - GLIADINA - (IgA)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de doença celíaca.

ANTI – GLIADINA - (IgG)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de doença celíaca.

ANTI - GLIADINA - (IgM)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de doença celíaca.

ANTI - JO1

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 4 horas.

Indicação: Os anticorpos anti-Jo1 estão presentes na Polimiosite e se associam em elevada frequência à doença intersticial pulmonar e poliartrite simétrica. Alguns pacientes com Anti-Jo-1 podem também apresentar fenômeno de Raynaud.

ANTI - LKM 1

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Os anticorpos anti LKM são marcadores de hepatite autoimune do tipo 2, entidade que acomete, predominantemente, pacientes do sexo feminino na faixa de 2 a 14 anos de idade, e tem seguimento com altos níveis de gamaglobulinemia e com acentuada tendência ao desenvolvimento de cirrose, com baixa resposta à terapia com corticoides, mas com boa resposta a imunossupressores.

ANTI – MITOCÔNDRIA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: diagnóstico de cirrose biliar primária. Outras condições podem estar associadas à presença destes anticorpos, como uso de clorpromazina ou halotano, cirrose criptogênica e hepatite ativa crônica, além de, mais raramente, em casos de obstrução biliar extra-hepática, hepatites por drogas ou virais, e câncer hepático. Cerca de 1% da população em geral podem apresentar reatividade para estes anticorpos.

ANTI - MÚSCULO ESTRIADO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de Miastenia gravis, doença neuromuscular caracterizada por fraqueza e fadiga da musculatura esquelética. Adquirida e de caráter autoimune, há um comprometimento da transmissão neuromuscular, provocado por uma diminuição no número das junções devido a ataque mediado por autoanticorpos.

ANTI - MÚSCULO LISO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Avaliação de pacientes com doença hepática crônica, nos quais haja suspeita diagnóstica de hepatite autoimune crônica ativa.

ANTI - RNP

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Avaliação de doenças reumatológicas (lúpus eritematoso sistêmico (LES) associado a fenômeno de Raynaud, esclerose sistêmica e síndrome de Sjögren. Quando presentes isoladamente e em altos títulos, fazem parte dos critérios de diagnóstico da doença mista do tecido conjuntivo (DMTC).

ANTI - SCL - 70

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 4 horas.

Indicação: Exame considerado marcador diagnóstico da esclerose sistêmica. No teste do FAN está associado ao padrão nuclear e nucleolar pontilhado. Está presente em 60% dos pacientes com a forma cutânea difusa da doença, aumentando o risco de desenvolvimento de fibrose pulmonar.

ANTI – SM

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é obrigatório.

Indicação: Diagnóstico do lúpus eritematoso sistêmico. São altamente específicos para LES (99% de especificidade para a doença) e estão incluídos nos critérios de diagnóstico do mesmo sendo sua prevalência de 15 a 30%.

ANTI - SS-A (RO)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Exame útil no diagnóstico do lúpus eritematoso sistêmico (LES) na ausência de outro marcador sorológico (anticorpos anti-dsDNA e anti-Sm), bem como no diagnóstico da síndrome de Sjögren (SS). Nesta última podem ser detectados isoladamente ou, mais frequentemente, associados, ao autoanticorpo anti-La/SS-B. No teste do FAN, exibem padrão nuclear pontilhado fino. Podem ser detectados no soro de pacientes com síndrome de Sjögren (60 a 75%), LES (25 a50%) e na síndrome do lúpus neonatal (> 95%). Os anticorpos anti-Ro/SS-A e anti-La/SS-B apresentam alta especificidade de diagnóstico para a síndrome de Sjögren, fazendo, portanto, parte do critério para a classificação dessa síndrome.

ANTI - SS-B (LA)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Junto com o anti-SS-A, é útil no diagnóstico da síndrome de Sjögren, principalmente quando associada à vasculite e a algumas formas de LES. É raro detectar o anti-SS-B isoladamente. Encontra-se presente em 50% a 60% dos casos de síndrome de Sjögren, e em 10% a 15% dos casos de LES. Em geral ele está associado ao anti-SS-A e, como este, não tem seu título correlacionado com as manifestações clínicas. É raramente encontrado na população normal.

ANTI - TIREOGLOBULINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 8 horas.

Indicação: Sua principal indicação é na avaliação do uso da tireoglobulina na monitoração do câncer diferenciado da tireóide, já que estes anticorpos interferem na dosagem podendo levar a resultados falsamente diminuídos. Têm prevalência de 10% na população geral e de cerca de 25 a 35%% nos pacientes com carcinoma diferenciado da tireóide. Após a tireoidectomia, seus valores diminuem progressivamente, com negativação após dois a quatro anos. No diagnóstico de doença autoimune da tireóide tem menor valor, uma vez que a maioria dos pacientes têm antiperoxidase tireoidiana (ATPO) positivo. Somente 5% de pessoas com doença tireoidiana autoimune têm ATG positivo com ATPO negativo.

ANTI - TRANSGLUTAMINASE - IgA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico e acompanhamento de Doença Celíaca. A Doença Celíaca, também chamada de Enteropatia Glúten-sensível ou Espru não tropical, é uma doença crônica, associada a uma hipersensibilidade ao glúten da dieta (trigo, centeio e cevada). Pacientes com sorologia positiva (exceto aqueles com biópsia demonstrando dermatite herpetiforme), devem ser submetidos à biópsia de intestino delgado para conclusão do diagnóstico. Neste caso, observa-se atrofia de vilo intestinal, linfócitos intraepiteliais e hiperplasia de cripta. Interpretação clínica: O resultado reagente sugere o diagnóstico da Doença Celíaca associada ou não à Dermatite herpetiforme. Resultados falsos negativos podem ocorrer na deficiência de IgA, em menores de 5 anos de idade, ou pacientes com baixa ingesta de glúten da dieta. O exame pode ser útil na monitorização da adesão à dieta.

ANTI - TRANSGLUTAMINASE - IgG

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico e acompanhamento de Doença Celíaca. A Doença Celíaca, também chamada de Enteropatia Glúten-sensível ou Espru não tropical, é uma doença crônica, associada a uma hipersensibilidade ao glúten da dieta (trigo, centeio e cevada). Pacientes com sorologia positiva (exceto aqueles com biópsia demonstrando dermatite herpetiforme), devem ser submetidos à biópsia de intestino delgado para conclusão do diagnóstico. Neste caso, observa-se atrofia de vilo intestinal, linfócitos intraepiteliais e hiperplasia de cripta. Interpretação clínica: O resultado reagente sugere o diagnóstico da Doença Celíaca associada ou não à Dermatite herpetiforme. Resultados falsos negativos podem ocorrer na deficiência de IgA, em menores de 5 anos de idade, ou pacientes com baixa ingesta de glúten da dieta. O exame pode ser útil na monitorização da adesão à dieta.

ANTI - TROMBINA III

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum mínimo de 4 horas.

Indicação: Exame útil na avaliação de deficiência de antitrombina que pode cursar com trombofilia e trombose venosa.

ANTI – TPO (ANTI-PEROXIDASE)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum de 8 horas.

Indicação: A peroxidase tireoidiana é o principal autoantígeno tireoidiano, e este anticorpo está presente em 95% dos pacientes com doença tireoidiana autoimune, seja na sua fase de hipotireoidismo ou de hipertireoidismo, sobremaneira na primeira. Sua presença se relaciona a níveis mais elevados de TSH e desenvolvimento posterior de hipotireoidismo, apesar de não se poder prever em que fase da vida este poderá ocorrer. Na gestação é fator de risco para abortamento e prematuridade, independente dos níveis de TSH.

ASPERGILLUS - PESQUISA DO ANTÍGENO GALACTOMANNAN

Material: Soro ou Lavado Broncoalveolar

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Este exame é útil no diagnóstico da aspergilose invasiva em indivíduos imunocomprometidos.

ATIVADOR DO PLASMINOGÊNIO TECIDUAL

Sinônimo: Antígeno Ativador do Plasminogênio Tecidual; Ativador Tissular do Plasminogênio

Material: Soro

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Avaliação de risco trombótico. Quando há aumento do risco trombótico, por diferentes mecanismos, há liberação de citocinas pró-inflamatórias, importantes na indução de alterações fibrinolíticas e pró-coagulantes no sangue, por induzirem uma resposta de fase aguda. Especificamente, ocorre um rápido aumento nos níveis plasmáticos do ativador do plasminogênio tecidual, que é contrabalanceado pela produção e secreção do antígeno inibidor do plasminogênio pelos hepatócitos, inibindo, assim, a fibrinólise.

CÁLCIO

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: A dosagem de cálcio no soro é empregada para avaliar a função da paratireoide e o metabolismo do cálcio, uma vez que o cálcio sérico é mantido dentro dos limites fisiológicos pela ação combinada do paratormônio (PTH) e vitamina D através de seus efeitos sobre os ossos, intestinos e rins. Exame útil no diagnóstico e seguimento de distúrbios de metabolismo de cálcio e fósforo, incluindo doenças ósseas, nefrológicas e neoplasias.

CEA - ANTÍGENO CARCINOEMBRIOGÊNICO

Material: Soro

Preparação do Cliente: Jejum não é necessário.

Indicação: Exame que tem sua principal utilidade no acompanhamento terapêutico e na detecção de metástases dos carcinomas gastrointestinais, principalmente os coloretais. Várias doenças não malignas também podem estar associadas ao aumento de CEA como tabagismo, pneumonia crônica, hepatite e doença inflamatória intestinal.

CK NAC – CREATINO FOSFOQUINASE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: A CK é encontrada no músculo cardíaco, na musculatura esquelética e no cérebro. Deste modo, qualquer lesão nas células desses órgãos poderá provocar um aumento nos níveis séricos de CK. Ocorre aumento da CK nos casos de infarto do miocárdio, distrofia muscular, infarto pulmonar, doença vascular cerebral aguda, convulsões, alcoolismo crônico, traumas e queimaduras, hipotireoidismo, acromegalia e uso de cocaína.

CREATININA SANGUÍNEA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum aconselhável de 4 horas.

Indicação: A creatinina sendo um dos produtos do metabolismo nitrogenado deve ser removida do corpo continuamente através dos rins. A constância na formação e excreção da creatinina faz dela um marcador muito útil de função renal, principalmente da filtração glomerular, em virtude da sua relativa independência de fatores como dieta, grau de hidratação e metabolismo protéico. A determinação da creatinina plasmática é um teste de função renal mais seguro do que a uréia. Nas doenças renais, a creatinina se eleva mais vagarosamente do que a uréia e se reduz mais vagarosamente com a hemodiálise. A dosagem elevada indica disfunção renal e o grau de evolução da enfermidade.

COLESTEROL TOTAL

Material: Sangue

Preparação do Paciente: A amostra de sangue deve ser colhida após um jejum de 12 horas para evitar a interferência da lipemia gerada após a alimentação.

Indicação: O colesterol é o principal esterol do organismo, estando presente em todas as células como um componente estrutural das membranas e é também o precursor na formação dos hormônios esteróides pelas gônadas e córtex adrenal. Além do colesterol absorvido a cada dia pelo tubo gastrintestinal dos alimentos, que é denominado colesterol exógeno, grande quantidade designada como colesterol endógeno é formada no fígado e outros tecidos Diversos estudos epidemiológicos e experimentais comprovam uma correlação positiva entre os níveis do colesterol, mais precisamente do colesterol LDLe o risco de doença arterial coronariana (DAC). Ao contrário, os níveis de colesterol HDL são inversamente proporcionais ao risco de DAC. Valores aumentados de colesterol são encontrados na nefrose, no hipotireoidismo, nas doenças colestáticas do fígado e nas hiperlipoproteinemias dos tipos IIa, IIb e III. Níveis diminuídos são encontrados no hipertireoidismo, doenças consuntivas e desnutrição crônica. O nível de colesterol sérico, juntamente com a hipertensão e o fumo, constituem fatores de risco de aterosclerose e doença arterial coronariana (DAC).

COLESTEROL HDL

Material: Sangue

Preparação do Paciente: A amostra de sangue deve ser colhida após um jejum de 12 horas para evitar a interferência da lipemia gerada após a alimentação.

Indicação: Avaliação de risco cardíaco; diagnóstico e monitoramento de estados dislipidêmicos. Os HDL são as menores lipoproteínas encontradas no organismo humano. O HDL carrega cerca de 20-35% do colesterol plasmático total, sendo o responsável pelo transporte reverso do colesterol (dos tecidos ao fígado). Conhecido como “bom colesterol”, é desejável que seus níveis sejam o mais elevados possíveis. Níveis reduzidos de HDL estão relacionados a um maior risco de desenvolvimento de doença cardíaca coronariana. Valores aumentados: manutenção periódica de exercícios físicos, uso moderado de álcool (em especial vinho e substâncias contendo antioxidantes), tratamento de insulina, terapia de reposição hormonal em mulheres, dislipidemias (hiperalfalipoproteinemia familiar, hipobetalipoproteinemia familiar), uso de certos medicamentos (lovastatina, simvastatina, pravastatina, atorvastatina e similares, etc). Valores diminuídos: stress, obesidade, sedentarismo, história familiar, tabagismo, diabetes mellitus, hipo e hipertireoidismo, doença hepática, nefrose, uremia, doenças crônicas e mieloproliferativas, dislipidemias (hipertrigliceridemia familiar, hipoalfalipoproteinemia familiar), doença de Tangier homozigota, deficiência familiar de LCAT, deficiência familiar de HDL e apolipoproteínas associadas, uso de certos medicamentos (esteróides, diuréticos tiazídicos, bloqueadores beta-adrenérgicos, probucol, neomicina, fenotiazinas, etc).

COPROLÓGICO FUNCIONAL

Material: Fezes

Preparação do Paciente: É necessária a realização de dieta prévia durante 3 dias.
* Crianças menores de dois anos não necessitam fazer dieta, salvo se o médico solicitante assim o prescrever. OBSERVAÇÃO: Durante os dias de dieta não é permitido o uso de medicamentos, bebidas alcoólicas ou gasosas (refrigerantes, água com gás, etc.). A suspensão do uso de medicamentos somente deve ser feito através de orientação médica. A dieta realizada nos 3 dias deve incluir nas refeições principais (almoço e jantar) carne, batata e feijão e nas outras refeições (café da manhã, lanche da tarde), manteiga e leite. Coletar fezes no frasco fornecido pelo laboratório. A amostra coletada deve ser enviada imediatamente ao laboratório. Não contaminar a amostra com urina ou água do vaso sanitário.

Indicação: Estudo das Funções Digestivas. O estudo do Coprológico Funcional das fezes visa o estudo das funções digestivas, abrangendo provas de digestibilidade macro e microscópica, exame químico e outras provas, cujos resultados permitem estabelecer determinadas Síndromes Coprológicas. A principal função do trato alimentar é garantir ao organismo o suprimento de água, eletrólitos e nutrientes; o alimento deve ser conduzido ao longo do tubo digestivo a uma velocidade apropriada para que as funções digestivas e absortivas se realizem. O estudo também compreende a pesquisa de leucócitos, fungos, resíduos alimentares, pH, desvios da flora bacteriana e outras reações químicas. Interferentes: Fezes envelhecidas, mal conservadas ou cujos resíduos não correspondem ao do regime prescrito. Contaminação com urina ou com água do vaso sanitário. Regime diferente do preconizado. Ingestão de alimentos não especificados.

Dengue Anticorpos IgG, IgM e Antígeno NS1 - teste rápido

Material: Soro

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: A dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus, sendo um dos principais problemas de saúde pública no mundo. O seu principal vetor de transmissão é o mosquito Aedes aegypti, que se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais. Existem quatro tipos de dengue, pois o vírus causador da dengue possui quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. A infecção por um deles dá proteção permanente para o mesmo sorotipo, mas imunidade parcial e temporária contra os outros três.



FATOR VIII

Sinônimo: Fator 8, fração antigênica, fator anti-hemofílico

Material: Soro

Preparação do Paciente: Jejum não necessário.

Indicação: A deficiência congênita de fator VIII ocorre na hemofilia A, doença de von Willebrand (DVW) e raras deficiências combinadas. A adquirida pode ser por presença de anticorpos contra o fator VIII nas doenças auto-imunes, por consumo, na coagulação intravascular disseminada (CID) e por consumo ou presença de anticorpos em neoplasias. É também utilizada no controle de qualidade de concentrados de fator VIII liofilizado e crioprecipitado em hemocentros.

FOSFATASE ALCALINA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: A enzima é encontrada em vários tecidos, com maiores concentrações no fígado, no epitélio do trato biliar e no osso. A mucosa intestinal e a placenta contêm também a fosfatase alcalina. A fosfatase alcalina apresenta várias isoenzimas, sendo que cada uma das fontes produtoras contém uma isoenzima específica. O fracionamento das isoenzimas da fosfatase alcalina (ALP) é útil para diferenciar doenças ósseas de doenças hepáticas. A determinação laboratorial da fosfatase alcalina se aplica muito bem para o diagnóstico de doenças do fígado e dos ossos. Valores elevados: Cirrose, obstrução biliar intra e extra-hepática, tumor primário ou metastático do fígado, tumor metastático do osso, recuperação de fraturas ósseas, doença de Paget, hiperparatireoidismo, fases de crescimento normal dos ossos. Valores Diminuídos: Hipotireoidismo, hipofosfatemia, desnutrição, doença celíaca.

GAMA GT – GAMA GLUTAMIL TRANSFERASE

Material: Sangue

Preparação do Paciente:Jejum aconselhável de 4 horas..

Indicação: Exame útil na avaliação de hepatopatias agudas ou crônicas, bem como doenças hepáticas provocadas pelo álcool. A Gama GT é muito sensível na seleção de alcoólatras. No alcoolismo crônico, os níveis séricos da Gama GT diminuem com a retirada do álcool e elevam com a exposição ao mesmo. Com base nesta observação, a dosagem da Gama GT é utilizada nos centros de tratamentos de alcoólatras para documentar o sucesso da terapia e identificar os pacientes que retomaram ao alcoolismo após a alta.

GLICOSE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum obrigatório de 12 horas. É importante manter a alimentação normal nos dias que antecedem a coleta da amostra e não realizar esforços físicos antes da coleta.

Indicação: A glicose é a principal fonte de carboidrato do organismo e sua concentração sérica está intimamente ligada à ação da insulina. Após uma refeição rica em carboidratos, a glicose que é absorvida para o sangue causa uma rápida secreção de insulina. Esta, por sua vez, provoca a captação, armazenamento e uso rápido da glicose por quase todos os tecidos corporais, especialmente pelos músculos, tecido adiposo e fígado. Valores elevados de glicose ocorrem nos vários tipos de diabetes primária, nos estados de intolerância à glicose e nas diabetes secundárias a várias doenças (hipertireoidismo, hiperpituitarismo, hiperadrenocorticismo, etc). Valores diminuídos de glicose ocorrem nas hipoglicemias que têm várias causas.

GLICOSE PÓS-PRANDIAL

Material: Sangue

Preparação do Paciente: O sangue deve ser coletado 2 horas após o início do almoço. Dentro dessas duas horas o paciente não pode ingerir nenhum alimento, apenas água, e não deve realizar exercícios físicos. A coleta deve ser realizada no mesmo dia da coleta da glicose em jejum.

Indicação: A glicose é a principal fonte de carboidrato do organismo e sua concentração sérica está intimamente ligada à ação da insulina. Após uma refeição rica em carboidratos, a glicose que é absorvida para o sangue causa uma rápida secreção de insulina. Esta, por sua vez, provoca a captação, armazenamento e uso rápido da glicose por quase todos os tecidos corporais, especialmente pelos músculos, tecido adiposo e fígado. Valores elevados de glicose ocorrem nos vários tipos de diabetes primária, nos estados de intolerância à glicose e nas diabetes secundárias a várias doenças (hipertireoidismo, hiperpituitarismo, hiperadrenocorticismo, etc). Valores diminuídos de glicose ocorrem nas hipoglicemias que têm várias causas.



HAEMOPHILUS INFLUENZAE Tipo B - Antígeno

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de infecção por Haemophilus influenzae. O H. influenzae é um dos principais agentes causadores da meningite bacteriana. Interpretação clínica: Segundo critérios diagnósticos estabelecidos pela organização Mundial da Saúde (OMS) o diagnóstico de meningite bacteriana aguda pelo H. influenzae é definido pelo isolamento microbiológico ou detecção de antígeno em líquor.

HELICOBACTER PYLORI (ANTÍGENO)

Material: Fezes

Preparação do Paciente: Não há preparo especial. Coletar fezes em frasco fornecido pelo laboratório.

Indicação: São úteis tanto para o diagnóstico como para a avaliação da terapêutica de erradicação do H. Pylori. Este exame tem sensibilidade semelhante à da sorologia para o diagnóstico da infecção, e há a vantagem de poder ser também utilizado na avaliação terapêutica. O exame é menos sensível se as fezes são pastosas ou aquosas, porque os antígenos H. pylori específicos tornam-se diluídos.

HEPATITE B – HbeAg

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Exame auxiliar no diagnóstico de hepatite pelo vírus B. A positividade deste antígeno está associada alto grau de replicação e infectividade pelo vírus da hepatite B. Na evolução normal, surge o Anti-Hbe. Na cronificação, indica maior gravidade.

HEPATITE B - HBsAg

Sinônimo: Antígeno Austrália

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Diagnóstico de Hepatite aguda ou crônica causada pelo Vírus B. O HBsAg é o antígeno protéico de superfície do vírus da hepatite B. Sua presença pode ser detectada durante o período de incubação, de duas a seis semanas depois da exposição. Atinge o pico na fase aguda da doença, em que é grande o grau de infectividade, e declina gradualmente até tornar-se indetectável em cerca de um a três meses. É positivo em perto de 20% a 60% das hepatites crônicas persistentes e de 9% a 60% das hepatites crônicas ativas.

HLA Classe I (A, B) - Baixa Resolução

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: O sistema HLA é utilizado principalmente para transplantes e no diagnóstico de doenças autoimunes. Interpretação clínica: Os polimorfismos nos genes classe I codificam para estruturas moleculares específicas do receptor de membrana. Estes interagem com linfócitos T CD8 positivos que detectam alterações de expressão celular secundárias a infecções ou ao desenvolvimento de células tumorais.

HLA Classe II (DR, DQ) - Baixa resolução

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: O sistema HLA é utilizado principalmente para transplantes e no diagnóstico de doenças autoimunes. Interpretação clínica: Estes receptores estimulam linfócitos T CD4 no reconhecimento antigênico, reforçando a resposta imunitária a infecções.

IMUNOGLOBULINA E - IgE

Sinônimo: IgE quantitativa; IgE

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Detecção de possíveis respostas alérgicas.

LDH – DESIDROGENASE LÁCTICA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: A LDH é amplamente distribuída no organismo, encontrando-se em altas concentrações no fígado, músculos esquelético e cardíaco, rins, hemácias e outros tecidos. Assim, níveis séricos elevados de desidrogenase láctica são observados em uma variedade de condições. Os valores mais elevados são encontrados em pacientes com anemia megaloblástica, em carcinomas e no choque grave. Elevações moderadas ocorrem em pacientes com infarto do miocárdio, infarto pulmonar, anemia hemolítica, leucemia, mononucleose infecciosa e nos pacientes com distrofia muscular progressiva. Ligeiras elevações são encontradas em pacientes com hepatite aguda, nas icterícias obstrutivas e na cirrose. Valores elevados são encontrados no delirium tremens. A desidrogenase láctica é também usada como um marcador de hemólise intravascular. Níveis elevados são observados na maioria dos pacientes com infarto do miocardio.



PARASITOLÓGICO DE FEZES

Material: Fezes

Preparação do Paciente: Coletar fezes no frasco fornecido pelo laboratório. A amostra coletada durante o dia deve ser logo enviada ao laboratório. Caso a amostra seja coletada a noite, colocar o frasco na geladeira e levar ao laboratório no outro dia às 07:00 horas.

Indicação: o exame parasitológico de fezes é o mais utilizado para o diagnóstico de infestação por helmintos e protozoários em suas formas evolutivas.

PARASITOLÓGICO DE FEZES 3 AMOSTRAS

Material: Fezes

Preparação do Paciente: Nesse exame o paciente irá coletar 3 amostras de fezes. Deve-se coletar uma amostra por dia, não havendo necessidade de serem coletadas em dias consecutivos. Coletar fezes no frasco fornecido pelo laboratório. A amostra coletada durante o dia deve ser logo enviada ao laboratório. Caso a amostra seja coletada a noite, colocar o frasco na geladeira e levar ao laboratório no outro dia às 07:00 horas. CADA AMOSTRA COLETADA DEVE SER ENVIADA AO LABORATÓRIO. NÃO ESPERAR COLETAR AS 3 AMOSTRAS PARA ENVIÁ-LAS JUNTAS AO LABORATÓRIO. CASO ISSO OCORRA, AS AMOSTRAS SERÃO DESPREZADAS.

Indicação: o exame parasitológico de fezes é o mais utilizado para o diagnóstico de infestação por helmintos e protozoários em suas formas evolutivas.

PARASITOLÓGICO MIF

Material: Fezes em meio MIF

Preparação do Paciente: Nesse exame o paciente irá coletar 3 amostras de fezes que devem ser colocadas em um frasco contendo o conservante MIF. Deve-se coletar uma amostra por dia, não havendo necessidade de serem coletadas em dias consecutivos. Não há necessidade de colocar o frasco na geladeira, pois o MIF conserva a amostra.

Indicação: o exame parasitológico de fezes é o mais utilizado para o diagnóstico de infestação por helmintos e protozoários em suas formas evolutivas.

PARCIAL DE URINA

Material: Urina

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário. Pode ser coletada a primeira urina da manhã ou permanecer no mínimo 2 horas sem urinar. O paciente deve realizar higiene genital, desprezar o primeiro jato do vaso sanitário e colher o restante no frasco fornecido pelo laboratório. Levar imediatamente ao laboratório.

Indicação: Diagnóstico e acompanhamento de infecções urinárias, litíases, diabetes, hepatites, insuficiência renal, etc. O exame de urina é um dos mais antigos testes laboratoriais descritos na história da medicina, fornecendo uma ampla variedade de informações úteis com relação às doenças que envolvem os rins e o trato urinário inferior. Pode ser usado para elucidação diagnóstica de distúrbios funcionais (fisiológicos) e estruturais (anatômicos) dos rins e trato urinário inferior, bem como para acompanhamento e obtenção de informações prognósticas. São vários os procedimentos envolvidos para a avaliação do exame urina: avaliação física, química, citológica e microbiológica.

PESQUISA DE SANGUE OCULTO SEM DIETA

Material: Fezes

Preparação do Paciente: Coletar fezes no frasco fornecido pelo laboratório. Evitar a contaminação com urina. A amostra coletada durante o dia deve ser logo enviada ao laboratório. Caso a amostra seja coletada a noite, colocar o frasco na geladeira e levar ao laboratório no outro dia às 07:00 horas.

Indicação: Auxílio no diagnóstico de lesões da mucosa gastrointestinal. Causas mais freqüentes de sangramento das porções baixas do trato digestivo: colite, carcinoma de cólon, diverticulite. Causas de sangramento gastrointestinal superior: gastrite, câncer gástrico, úlcera péptica, varizes esofagianas.

PESQUISA DE SANGUE OCULTO COM DIETA

Material: Fezes

Preparação do Paciente: Deve-se realizar uma coleta de 3 dias antes da coleta. Coletar fezes no frasco fornecido pelo laboratório. A amostra coletada durante o dia deve ser logo enviada ao laboratório. Caso a amostra seja coletada a noite, colocar o frasco na geladeira e levar ao laboratório no outro dia às 07:00 horas.



TGP – ALT (TRANSAMINASE GLUTÂMICO PIRÚVICA)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum aconselhável de 4 horas.

Indicação: É uma enzima intracelular presente em grandes quantidades no fígado e no rim e em pequenas quantidades na musculatura esquelética, coração e pâncreas. Sua origem é citoplasmática e, desta forma, eleva-se rapidamente após a lesão hepática sendo, portanto, um marcador sensível da função hepática. É um marcador mais específico para a lesão hepática que a TGO. Encontram-se níveis elevados na hepatite infecciosa e tóxica, doença pancreática, mononucleose, cirrose, icterícia obstrutiva e carcinoma metastático. Indicações: Dosagens repetidas de TGP são úteis no acompanhamento da evolução de uma doença hepatobiliar, especialmente quando existe necrose das células hepáticas. Também pode estar relacionada a lesões em outros órgãos, como rins, musculatura esquelética, coração e pâncreas. Níveis de TGP persistentemente altos nos quadros agudos sugerem a evolução para cronicidade. Aumentos menores são observados na cirrose, icterícia colestática e tumores hepáticos.

TGO – AST (TRANSAMINASE GLUTÂMICA OXALACÉTICA)

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum aconselhável de 4 horas.

Indicação: O TGO é uma enzima encontrada em concentração muito alta no músculo cardíaco, no fígado, músculos esqueléticos e em menor concentração nos rins e pâncreas. Qualquer lesão ou doença que afeta o fígado liberará uma maior quantidade da enzima para a corrente sanguínea, elevando os níveis séricos de TGO.
Várias doenças comuns apresentam elevação pequena ou moderada de TGO, e entre elas podemos citar: mononucleose infecciosa, hepatite aguda na fase de remissão ou recuperação, hepatite crônica, disfunção hepática induzida por drogas, tumor hepático metastático, congestão hepática passiva, cirrose ativa ou hepatopatia alcoólica, obstrução extra-hepática prolongada do ducto biliar, fígado gorduroso e citomegalovirus. Também é útil no diagnóstico e acompanhamento do infarto agudo do miocárdio.

TRIGLICERÍDEOS

Material: Sangue

Preparação do Paciente: A amostra de sangue deve ser colhida após um jejum obrigatório de 12 horas.

Indicação: Os Triglicérides ou gorduras neutras são ésteres de ácidos graxos com glicerol e representam a maior quantidade de gordura do organismo (95%), provenientes da dieta e do fígado. Apesar da controvérsia de seu papel na doença arteriosclerótica sua elevação, concomitante com a de colesterol é considerada fator de risco para doença arterial coronariana (DAC). Valores altos também são detectados na resistência insulínica, síndrome nefrótica e pancreatite. Acima de 2.000mg/dL, predispõe à pancreatite aguda. Também pode elevar-se em consequência do uso de medicamentos, como a prednisona. A hipertrigliceridemia pós-prandial é associada à elevação do risco de morbimortalidade cardiovascular, independente de níveis de triglicerídeos de jejum normais. Indicações: Avaliação das do metabolismo lipídico e das dislipidemias. Interpretação clínica: Os triglicérides estão elevados em: hiperlipoproteinemias tipos I, IIb, III, IV e V, deficiência da lipase lipoproteica familiar, deficiência do cofator da lipase lipoproteica (Apo C-II) disbetalipoproteinemia familiar, resistência insulínica, hipotireoidismo, síndrome nefrótica, obstruções biliares, cirrose, hepatites virais, pancreatite crônica, porfiria aguda intermitente e doenças de depósito de glicogênio, entre outras. Concentrações extremamente elevadas são encontradas na pancreatite aguda. Alguns alcoólatras têm hipertrigliceridemia, às vezes com níveis muito elevados, mas que normalizam com a abstinência. Os triglicérides estão diminuídos na hipolipoproteinemia e na betalipoproteinemia, hipertireoidismo, lactosúria, desnutrição, síndromes de má-absorção, linfangectasia intestinal e nas doenças do parênquima hepático em fase terminal.

URÉIA

Material: Sangue

Preparação do Paciente: Jejum não é necessário.

Indicação: Exame útil para avaliação da função renal. Este analito sofre influência de dietas hiperproteicas, uso de esteroides, infecção, traumas, hemorragias e digestivas.
Elevações da uréia ocorrem também por catabolismo protéico elevado; febre, septicemia, stress e queimaduras. As causas renais de elevação da uréia são nefrites, pielonefrites e insuficiência renal aguda ou crônica. As causas pós-renais são obstruções no trato urinário (cálculos, carcinomas ou pólipos).
A diminuição da uréia está relacionada com insuficiência hepática grave, aumento da diurese, redução do catabolismo protéico, gravidez normal e em indivíduos submetidos a dietas com baixo valor protéico e alto teor glicídico.